Ninkasi, a Deusa da Cerveja

Ninkasi é a antiga deusa sumeriana da cerveja, que transformou uma mistura de água e cevada em um líquido dourado, conhecido hoje como cerveja.

Era uma deusa muito popular que fornecia cerveja aos deuses. Ela era considerada a própria personificação da cerveja.

Receba as postagens do Ninkasi Beer Club no seu e-mail!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Ayinger Altbairisch Dunkel - Degustação nº 59



Até a Segunda Guerra Mundial, cerveja escura era o tipo de cerveja predominante na área de Munique. A água “dura” (com alta concentração de sais minerais), encontrada na região, teve um papel especial na produção desse tipo de cerveja. 

A excepcional cerveja artesanal alemã Ayinger Altbairisch Dunkel, natural da Bavária, é uma autêntica representante do seu estilo. Apresenta cor negra impenetrável e um maravilhoso reflexo quando você ergue a taça contra a luz. Produzida pelo processo tradicional de dupla fermentação.

Cervejaria: Ayinger
Origem: Alemanha
ABV(%): 5
Estilo: Munich Dunkel
Embalagem: Garrafa de 500 ml

É uma cerveja de coloração negra e acobreada se exposta contra a luz, com corpo calmo. Sua espuma de cor bege apresentou boa formação e duração, com uma boa transição de renda no copo.

No aroma, o malte remete a caramelo, café e tostado, sendo de forma média. Presença muito sutil de lúpulo. Presença leve de álcool ao aproximar o copo do nariz. No sabor o caramelo, frutas secas e um leve dulçor se sobressaem, juntamente com toque torrado.

O aftertaste é duradouro e levemente amargo, quase que equilibrado com o dulçor da cerveja. Com corpo médio e pequena rescência, é uma cerveja fácil de beber, ou seja, com bom drinkability. Possui adstringência tenra. A percepção alcoólica é oportuna. Gostei bastante dessa cerveja.

Prosit!


Araújo Junior 

Baltika nº8 Weizen - Degustação nº 58



A Baltika 8 Wheat Beer rapidamente ganhou o amor de conhecedores de cerveja premium e é agora o líder indiscutível do segmento de cervejas de trigo na Rússia. É a típica cerveja do verão europeu, costumada ser bebida no desjejum. Neste estilo, é fundamental a regra de quanto mais jovem, melhor.

Harmonização: Ceasar salad, frango assado, lombo defumado, salsicha e linguiça de porco, arroz e feijão, comida mexicana e chinesa, camarão frito, caranguejo, atum, truta, peixe frito, lagosta, torta de limão.

Cervejaria: Baltika Brewery
Origem: Rússia
ABV(%): 5
Estilo: German Weizen
Embalagem: Garrafa de 500 ml

Cerveja de coloração amarela, tendendo ao laranja, levemente turva, com espuma branca de formação densa e de boa duração, com uma boa transição de renda no copo e presença de partículas em suspensão.

No aroma ésteres frutados (banana, frutas brancas e tutti-frutti) e no sabor bastante frutado, notas de frutas brancas e banana caramelada. A cerveja tem sabor bem adocicado e relevante acidez, especialmente no retrogosto. Presença de álcool não muito forte ao aproximar o copo do nariz.

Corpo médio, textura licorosa, carbonatação média, sensação de leve adstringência e ausência de amargor. Aftertaste fugaz e adocicado. Cerveja com boa drinkabilidade. 

NaZdorovia!
Araújo Junior

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Colorado Cauim - Degustação nº 57


Seu nome Cauim vem do Tupi e se refere a uma antiga bebida fermentada de cereais e mandioca, fabricada pelos índios brasileiros. Não por acaso esta deliciosa cerveja combina fermento alemão, lúpulo tcheco, cevada maltada holandesa e, é claro, a brasileiríssima mandioca.

Cervejaria: Colorado
Origem: Ribeirão Preto-SP (Brasil)
ABV(%): 4,5
Estilo: Premium American Lager
Embalagem: Garrafa de 600 ml

É uma cerveja de coloração dourada, com corpo claro e levemente borbulhante. Sua espuma de cor branca apresentou formação densa, cremosa e duradoura, com uma boa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma presença média de malte e lúpulo floral, não sendo perceptível a presença de mandioca. No nariz presença de leve aroma abiscoitado e de pão. Presença de álcool leve ao aproximar o copo do nariz. No sabor o malte continua presente de forma média, conferindo um leve adocicado que se sobrepõe ao lúpulo ameno, conferindo a cerveja baixo amargor.

O retrogosto é levemente doce e fugaz. Bem refrescante com corpo bem leve e rescência idem conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que possui nível de adstringência zero, o que a deixa com a textura tendendo a aguada. A percepção alcoólica é oportuna. Mais uma ótima cerveja da Colorado.

Salut!
Araújo Junior


Therezópolis Gold - Degustação nº 56



Esta cerveja traz a perfeita combinação entre o puro malte, os três tipos de lúpulos – dois aromáticos e um de amargor, e a cristalina água mineral das montanhas. É uma refrescante Premium Lager de receita dinamarquesa 

Cervejaria: Sankt Gallen
Origem: Teresópolis-RJ (Brasil)
ABV(%): 5
Estilo: Premium Lager
Embalagem: Garrafa de 750 ml

É uma cerveja de coloração dourada, com corpo claro e borbulhante. Sua espuma de cor branca apresentou formação densa, cremosa e com boa duração, com uma boa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma presença média de malte e lúpulo herbáceo, levemente perfumado. Senti um aroma gramíneo. Presença de álcool leve ao aproximar o copo do nariz. No sabor o malte continua presente de forma média e o lúpulo ameno confere a cerveja baixo amargor.

O retrogosto é levemente amargo e fugaz. Bem refrescante com corpo bem leve e rescência mediana conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que possui nível de adstringência zero, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. Uma ótima cerveja para o dia a dia e churrasco com os amigos!

2º ENCONTRO DO CLUBE DA CERVEJA - NINKASI BEER CLUB


Hoje e amanhã estaremos informando as 04 (quatro) cervejas que serão degustadas no evento de sábado, dia 30 de agosto.

Cheers!
Ninkasi Beer Club

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

CERVEJA NO COPO OU NO GARGALO?


Onde a bebida é melhor, no copo ou na garrafa?


O recipiente influi no sabor da bebida. Saiba como e por que.

Beber cerveja direto na garrafa ou em uma latinha pode prejudicar a degustação da bebida. Isso acontece porque essas embalagens impedem que a pessoa sinta o aroma da cerveja, e o olfato está diretamente ligado ao paladar, já que ele é responsável por identificar sabores específicos.

Por isso, o copo é o utensílio mais recomendado para consumir qualquer tipo de bebida. Mas ainda assim é preciso estar atento ao material com o qual ele é feito. O plástico, por exemplo, possui alguns componentes que passam para o líquido. Essas micropartículas, chamadas "polímeros", se desprendem das paredes do copo e se misturam com a bebida, "contaminando" o sabor. Já a latinha de alumínio, apesar de ter a vantagem de gelar mais rápido, possui substâncias voláteis que se agitam mais quando a temperatura se eleva. Elas fazem com que o gás escape mais rapidamente.

O material ideal para o copo é o vidro, que é impermeável e demora para interagir quimicamente com a bebida. Por ser menos poroso que o alumínio e que o plástico, ele também é mais eficientes na hora de reter o gás.

E você bebe no copo ou no gargalo?

FONTE: http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/onde-a-bebida-e-melhor-no-copo-ou-na-garrafa/?cHash=6a799c2a357d3a2e687616256af94b0e

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A PROFISSÃO QUE VOCÊ PEDIU A DEUS - 2ª VERSÃO


Empresa libera consumo de cerveja durante o horário de trabalho
Agência é especializada no atendimento de contas do setor cervejeiro.

Cervejas artesanais, importadas e até cachaças fazem parte do dia a dia da agência de comunicação Notícia Expressa, especializada em assessoria de imprensa, em São Caetano do Sul (SP). Há 10 anos no mercado, a empresa atende clientes do setor cervejeiro e permite que os funcionários bebam durante o expediente, em qualquer horário.

 
Para funcionários, medida ajuda a conhecer o produto e a ‘vender’ melhor.(Foto: Divulgação/Notícia Expressa)

Miriam Matos, proprietária da agência, teve a ideia de levar o hábito de beber cerveja ao ambiente de trabalho quando teve dificuldades para escrever um texto de divulgação, e só conseguiu o resultado desejado após experimentar a bebida. “O texto fez muito sucesso e pensei que poderia levar isso para a agência. Comecei nas reuniões, há cerca de quatro anos, e agora eles podem beber no horário que quiserem”, diz.

O objetivo é que cada colaborador tenha sua própria percepção sobre cada rótulo e possa escrever e divulgar a cerveja de uma forma completa. Para ela, o trabalho de assessoria de imprensa só funciona se o funcionário acreditar no produto, conhecê-lo a fundo e se sentir parte dele. “Só assim conseguimos traduzir o objetivo da empresa em textos que geram resultados. Para a minha surpresa, o ambiente de trabalho mudou, todos estão mais soltos, criativos e isso aproximou as pessoas”, afirma Miriam.

O assessor de imprensa, Renan Santiago, de 27 anos, é um dos cinco colaboradores da agência que aproveita o benefício. Há um ano na empresa, ele atende somente contas do ramo cervejeiro e acredita que a iniciativa o ajudou a produzir melhor. “A cada dia eu me sinto mais à vontade para escrever sobre as particularidades de cada rótulo. Sei que não vou escrever algo errado”, afirma. Atualmente, ele faz um curso de sommelier de cerveja.

“É a união do útil ao agradável. Ao mesmo tempo que fazemos uma reunião para um assunto sério, tomamos uma cerveja e isso nos deixa mais à vontade. Mas, ao mesmo tempo, ela nos dá mais argumento para escrever”, diz Santiago.

“A ideia é fazer a degustação da bebida e conhecer o produto, não ficar embriagado. Quando um rótulo novo chega abrimos para fazer a degustação e também podemos beber em uma tarde que está muito calor”, afirma Roberta Santana, de 24 anos, responsável pela redação da agência.

Sobre problemas com funcionário que exagera e bebe demais, Miriam diz que cada colaborador deve conhecer seus limites. Segundo ela, até agora ninguém ficou bêbado e deu vexame durante o expediente. “Nunca alguém ficou mal a ponto de passar mal ou para de trabalhar. É uma questão de bom senso”, completa.

Por Pâmela Kometani
Fonte: http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2014/04/empresa-libera-consumo-de-cerveja-durante-o-horario-de-trabalho.html

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

CERVEJAS QUE SÃO TÃO CARAS QUANTO ALGUNS DOS MELHORES VINHOS


A San Diego Scotch Ale é uma colaboração entre os donos da BrewDog e da San Diego, Ballast Point. Trata-se de uma Imperial Scotch Ale que foi envelhecida em barris de Whisky, juntamente com passas californianas, que foram embebidas em Rum Ballast Point (eles são maravilhosos!), por 9 meses.
Garrafa de 330 ml sai a um preço médio de R$ 110,00.


Cerveja escocesa do estilo Imperial Stout, tem impressionantes 32% de teor alcoólico. Além de ser maturada em barris de uísque por mais de um ano, passa por um processo de congelamento e separação do álcool por três semanas.
Garrafa de 375 ml sai a um preço médio de R$ 500,00 a R$ 600,00.

Sink the Bismarck! é cerveja amplificada. Seu nome vem do navio alemão utilizado na 2ª Guerra Mundial que afundou, numa provocação aos alemães da cervejaria Schorschbräu. Sink the Bismarck é uma IPA quádrupla, que contém quatro vezes mais lúpulo, quatro vezes mais amargor e quatro vezes congelada para atingir a impressionante marca de 41% de álcool.
A garrafa de 330 ml sai a um preço médio de R$ 600,00.


Simbiose entre Cerveja e vinho, ela é a sutileza na garrafa e refrescância como um aperitivo. DeuS é ideal antes de aperitivo ou depois do jantar ou na companhia de pratos delicados. do estilo Biére Brut, de cor dourada e coroada por um colarinho branco. Tem aromas que lembram maçã, hortelã, tomilho, gengibre, malte, pêra, lúpulo, pimenta-da-jamaica e cravo-da-índia.
A garrafa com 750 ml sai pelo preço médio sugerido de R$ 160.


Cerveja do estilo Biére Brut. Elaborada através do tradicional método champenoise. Complexa e delicada, é produzida com leveduras de champagne. Coloração dourada e translúcida, aromas que remetem ao vinho branco e notas cítricas. Perlage fino e duradouro. Sofisticada e sedutora, passa nove meses em maturação na nossa cave com temperatura e umidade controladas. Refermentada na garrafa com 11% de alcool.
A garrafa de 750 ml sai a um preço médio de R$ 200,00.


Cerveja americana do estilo Russian Imperial Stout, começou a ser produzida apenas para os próprios cervejeiros da americana Brooklyn. A receita fez tanto sucesso, que eles passaram a produzir uma pequena quantidade anual para venda.
A garrafa com 750 ml sai pelo preço médio de R$ 210.


A Cerveja Christoffel Bier é uma cerveja importada da Holanda, do tipo Lager Pilsen, puro malte, não filtrada e não pasteurizada. Esta cerveja holandesa apresenta uma coloração dourada (alaranjada), é encorpada, possui um sabor muito equilibrado e um amargor médio, resultado da adição generosa de lúpulo fresco durante sua fabricação. Em seu aroma percebe-se claramente a presença do lúpulo, que neste caso é o Saaz. Sua apresentação é em garrafa de 2 litros, tipo sifão.
A garrafa com 2 litros sai pelo preço médio de R$ 170.



Cerveja tipo Ale nacional de um malte só, produzida pelo método champenoise, que consiste na refermentação na garrafa e é utilizado na produção de champanhe. Depois, ainda segue para uma etapa de maturação que dura um ano, processo denominado cuveé. De paladar mais seco e aroma amanteigado, vai bem com os queijos gruyère, chevrotin e parmesão.
A garrafa de 750 ml sai pelo preço médio de R$ 100.



É uma cerveja estilo Souer and Fruit Beer produzida pela Falke com jabuticaba e nome inspirado no filme Viver por viver de Claude Lelouch. É uma obra de arte, o ápice da ousadia da família Falcone que durante 3 anos de intenso trabalho e pesquisa maturou essa cerveja, atuando minunciosamente em seu complexo processo e revolucionando o mundo cervejeiro nacional com a primeira fruit bier genuinamente brasileira com a mais nacional das frutas, a jabuticaba.
A garrafa de 750 ml sai pelo preço médio sugerido de R$ 200.

Fonte: adaptação Uol Comidas e Bebidas

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

AS 10 MARCAS DE CERVEJA MAIS VALIOSAS DO MUNDO EM 2014

1. Bud Light (USA) - US$ 12,580 bilhões

2. Budweiser (USA) - US$ 11,834 bilhões

3. Heineken (Holanda) - US$ 8,670

4. Stella Artois (Bélgica) - US$ 8,237

5. Corona (México) - US$ 8,025

6. Skol (Brasil) - US$ 7,055

7. Guinnes (Irlanda) - US$ 5,014

8. Águila (Colômbia) - US$ 3,676

9. Miller Lite (USA) - US$ 3,630

10. Brahma (Brasil) - US$ 3,585

CERVEJA CAFUZA

Rótulo da Cafuza. FOTO: Reprodução

Uma cerveja que anda dando muito no que falar é a Cafuza. Lançada oficialmente no final de junho deste ano, esta é mais uma cerveja colaborativa da Cervejaria Nacional. Trata-se de uma Imperial IPA, criada há dois anos pelos amigos Leonardo Satt e Bruno Moreno, cervejeiros caseiros.

A Cafuza estava se tornando uma verdadeira lenda no nosso universo cervejeiro, visto que essa cerveja miscigenada circulava apenas no espaço cervejeiro de São Paulo e foi ganhando fama e status de raridade. Era daqueles casos em que muita gente já ouviu falar, mas nunca viu – muito menos provou.

A receita é tida como inusitada, porém muito elogiada. Uma cerveja negra e viscosa com 8,5% de teor alcoólico, 110 IBU e dry hopping generoso de uma combinação dos lúpulos Willamette, Simcoe e Centennial. Uma mistura de notas cítricas e de chocolate com o dulçor e sabores de caramelo do malte.


Foto: Blog Cerveja para Dois

"A Cafuza Imperial India Black Ale reflete a miscigenação brasileira em sua receita. Assim como os cafuzos resultaram da mistura índios e negros, nossa cerveja vem da mistura entre uma Imperial India Pale Ale com maltes escuros de uma Stout, resultando em uma mistura de aromas e sabores que apresentam café, chocolate, caramelo e aromas cítricos."

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

MULAMBA, A CERVEJA DA NAÇÃO RUBRO-NEGRA


Já que neste meio de semana o Flamengo foi o único carioca a vencer no Campeonato Brasileiro (Séries A e B), estou postando em homenagem aos rubros-Negros o histórico e ficha técnica da cerveja Mulamba.

A Nação Rubro Negra acaba de ganhar a sua cerveja! Projeto elaborado pelo blogueiro Artur Muhlenberg do URUBLOG, BOG DO TORCEDOR ( http://globoesporte.globo.com/rj/torcedor-flamengo/platb/), esta cerveja é uma witbier de alta refrescância, com 4,5% ABV produzida pela cervejaria Dortmund.

De inspiração belga, a Mulamba Witbier é uma cerveja de trigo de alta fermentação, elaborada segundo as clássicas fórmulas dos cervejeiros flamengos.
Naturalmente refrescante e com aroma cítrico, a Mulamba Witbier não tem frescura, sua cor é turva e esbranquiçada pela presença de leveduras em suspensão.
A Mulamba Witbier acompanha muito bem tudo que anda, nada ou voa, mas também se garante no seu valor proteíco e pode ser consumida desacompanhada sem erro.
Atenção: Mulamba Witbier é uma cerveja forte, feita para os fortes. Para melhor curtir o pancadão dos seus 4,5% alc/vol antes de abrir agite a garrafa com movimentos suaves e circulares, com o fundo virado para cima.
Mulamba Sempre
Na Moral, com Raça, Amor, Paixão e a Garantia do Arthur Muhlenberg
Produzido e engarrafado por Cervejaria Dortmund Ltda .
Distribuído por: Bushido Brazil Import e Export Ltda .http://www.bushidobrazil.com.br
Fone:(19)3874-2853 – Vendas: bushido@bushidobrazil.com.br


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A PROFISSÃO QUE VOCÊ PEDIU A DEUS


'Não tenho ressaca e não engordo', diz degustadora de cerveja


Carolina Oda diz que glamour da profissão é beber e comer do melhor.
Profissão de Carolina Oda é provar cervejas (Foto: Caio Kenji/G1)

"O que as pessoas fazem como diversão é o meu trabalho", conta Carolina Oda, de 27 anos, que é degustadora de cervejas (sommelier).

No vídeo disponível no endereço http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2014/08/nao-tenho-ressaca-e-nao-engordo-diz-degustadora-de-cerveja.html, ela explica como chegou a esse trabalho e relata que até o seu físico ajuda nessa tarefa: já chegou a provar 40 amostras de cerveja em um dia, em campeonatos. "Não tenho ressaca, não passo mal, mas que a gente fica bêbada, a gente fica." Outra característica sua causa inveja: ela não engorda.

Ela é consultora em bares e restaurantes e trabalha com projetos, como aulas e eventos. "Não tenho rotina, que é a principal graça da história", diz. "O glamour é estar comendo e bebendo das melhores coisas sempre, e a questão de lidar com pessoas que estão num momento feliz."


Fonte: G1

terça-feira, 19 de agosto de 2014

COMO EVITAR QUE SUA CERVEJA ESTRAGUE




Você abre aquela cervejinha gelada na maior expectativa. É um dia quente. Você está salivando. Você toma um bom gole e… que cheiro é esse? Pior, que gosto é esse? Pois é, sua preciosa cerveja está estragada e irreconhecível.

Como isso aconteceu? E o mais importante: como você pode evitar isso?

A ciência da oxidação (efeito gambá)
Veja só que curioso: tem gente que descreve o cheiro de cerveja como cheiro de gambá. Bizarro? Pior que não. E isto não descreve apenas uma cerveja que ficou ruim.

Talvez você não o conheça, mas o cheiro de gambá é algo bem específico. Não quer dizer cerveja sem gás, rançosa, amarga, azeda, congelada ou metálica. Quando alguém diz que a cerveja parece um gambá, é porque ela literalmente tem cheiro de gambá.

Isso é causado pelo composto químico 3-metil-2-buteno-1-tiol. O Dr. Malcolm D. Forbes, professor de química da Universidade da Carolina do Norte, o chama de “tiol de gambá”. Por quê? Porque é quase idêntico ao composto encontrado nas glândulas anais do gambá. Estes compostos químicos são chamados de mercaptanos e contêm uma quantidade elevada de enxofre. Nós, humanos, somos extremamente sensíveis a mercaptanos, e somos capazes de sentir o cheio e o gosto deles mesmo quando eles representam apenas algumas partes por trilhão.

Ok, isso é nojento, mas como é que estes compostos químicos chegaram à sua cervejinha, que costumava ser tão deliciosa?
Não é o calor

Um dos maiores mitos da cerveja é que tirar uma cerveja gelada do congelador, deixá-la esquentar, e então colocar de volta na geladeira faz com que ela fique oxidada. Isso é totalmente falso. Uma mudança na temperatura – especialmente uma tão pequena – não é a culpada por essa reação química. A cerveja ficar quente por um período de tempo pode e vai afetar o sabor (iremos voltar a falar sobre isso depois), mas lembre-se: aquele efeito gambá é o sabor de um composto químico específico; a alteração na temperatura não causa isso. Então, o que causa?
É a luz

O efeito gambá é causado pela exposição à luz. Fim de papo. Tá, a gente explica melhor. Isso acontece de maneira bem simples: a cerveja é aromatizada com lúpulo. É um agente que amarga a bebida e ajuda a protegê-la contra bactérias, e vem sendo usado há séculos. Relatos sobre a luz estragar a cerveja datam de 1875, mas foi só em 2001 que o Dr. Forbes, da UNC, descobriu exatamente o motivo e como isso acontecia.


O lúpulo é sensível à luz, e os três principais compostos nele que foram identificados como sendo sensíveis à luz são chamados de isohumulonas. Quando atingidas pela luz visível ou ultravioleta, elas se quebram e formam intermediários reativos, conhecidos como radicais livres. Isto leva àquele sabor e cheiro horríveis.

E é por isso que cervejas mais leves, com menos lúpulo, são normalmente menos suscetíveis a oxidar – há menos coisas nelas que podem oxidar. Isso não é muito consolo para quem gosta de tomar cervejas mais fortes… mas nada tema. Os amantes de lúpulo têm como se precaver.
Como evitar a oxidação

1. Armazenamento: Se você não deixa garrafas de cerveja na sua geladeira (é onde ela definitivamente deveria estar), guarde-a em um lugar arejado e escuro. Obviamente, a luz solar contém muitos raios UV, então sua cerveja deve ficar longe dela. Mas luzes fluorescentes também podem emitir raios UV. É uma quantidade bem pequena comparada à luz do sol, mas se a luz estiver atingindo constantemente as garrafas de cerveja fora da geladeira, ela pode ser o bastante para causar um efeito indesejado.

2. Embalagem: Vidro transparente é o pior para filtrar luz UV. Vidro verde é um pouco melhor. Entretanto, vidro marrom ou âmbar faz um bom trabalho em filtrar a luz UV, apesar de ainda ser necessário minimizar a exposição à luz do sol. As latinhas são as melhores: não tem como passar luz por elas. Várias marcas de cerveja, mesmo importadas, estão disponíveis em lata – e não têm gosto metálico. Elas têm um gosto parecido com a cerveja que viria de um barril (que também é à prova de oxidação). Dito isto, se você comprar um pacote fechado e ele estiver todo embalado com papelão, é bem provável que não aconteça nada, mesmo que a cerveja esteja em garrafas de vidro transparente ou verde.

3. Origem: Provavelmente há algum lugar perto da sua casa onde você costuma comprar cerveja. Como ela fica guardada? Em uma geladeira próxima a janelas, ou com uma porta de vidro iluminada? Esse pode não ser o melhor lugar para comprar cerveja. O mais provável é que, se a loja vende variedades mais exóticas que uma Heineken, o distribuidor leva a cerveja e seu armazenamento a sério. Se você também leva cerveja a sério, visite um bar especializado em cervejas artesanais – ou, se você estiver a fim de aventuras, vá para uma cervejaria durante o horário de degustação – e pergunte a um profissional onde conseguir a melhor cerveja. Assim que você encontrar o caminho mais gelado e escuro que uma cerveja pode tomar, você irá desfrutar da cerveja em seu melhor estado.
Idade da bebida

Mesmo que calor e idade não causem oxidação (na ausência de luz), esses fatores podem afetar bastante o sabor da bebida. Quando uma cerveja fica velha, ela não coalha ou azeda como um derivado de leite que estragou. Isso leva muita gente a acreditar que cerveja não estraga. E meio que não estraga mesmo. Mas a idade cada vez mais vai tirando o sabor que o mestre cervejeiro (ou a multinacional!) tinha em mente, principalmente devido à oxidação.

É por isso que a refrigeração é importante. A cerveja começa a estragar – ou seja, o sabor começa a mudar – surpreendentemente rápido. Assim como ovos, carne ou laticínios, mantê-la refrigerada vai deixá-la mais saborosa por mais tempo. Só que você pode começar a sentir alterações no sabor em até cinco dias! Ou seja, mesmo que alguém compre cerveja importada da Europa – que normalmente vem de navio, sem refrigeração – muitas vezes elas ficam meio velhas antes mesmo de chegar até você.

Então, apesar do que te disseram, isso não tem nada a ver com tirar da geladeira e gelar de novo. É só o tempo que passou sem refrigeração, ponto. E, claro, mesmo cerveja gelada vai ficar velha – só vai demorar mais. A atitude mais responsável a se fazer, neste caso, é beber.
Conclusão

Cuide bem da sua loira. Mime-a um pouco. Respeite sua química delicada, e garanta que ela está sendo tratada com ternura. Beba um copo em nome do mestre cervejeiro George di Piro, também conhecido como Professor Cerveja, que escreve com eloquência sobre os efeitos da oxidação e envelhecimento da cerveja. E, da próxima vez que você estiver em uma festa e um amigo seu falar sobre cerveja, vá em frente e dê um soco no cérebro dele com o seu conhecimento recém-adquirido.

Créditos da imagem: Shutterstock/Ronald Sumners
Fonte: http://gizmodo.uol.com.br/como-evitar-que-cerveja-estrague/

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Amnésia Imperial IPA - Degustação nº 55


Cerveja feita com generosas dosagens de lúpulos especiais com IBU em torno de 100,0. Seu processo de fabricação é acompanhado em cada detalhe, especialmente para obtenção de aromas e amargores perfeitos para a apreciação deste estilo de cerveja.

Cervejaria: Mistura Clássica
Origem: Volta Redonda - Rio de Janeiro (Brasil)
ABV(%): 9,0
Estilo: India Pale Ale (IPA)
Embalagem: Garrafa de 300 ml

É uma cerveja de coloração âmbar, com corpo levemente turvo. Sua espuma rasa de cor branca apresentou pequena formação com duração fugaz, com uma justa transição de renda no copo e ausência de partículas. 

O aroma é intenso, cítrico (talvez laranja ou tangerina), com boa presença de lúpulo herbal, deixando a cerveja o forte e característico amargor que o estilo pede. Álcool aparente ao aproximar o copo do nariz. O sabor também é intenso e cítrico, com forte amargor.

O retrogosto é duradouro e com o amargor se sobressaindo ao doce. Corpo de leve a médio, rescência mediana e alto teor alcoólico, não conferem boa drinkability a esta cerveja, que possui ainda pequena adstringência, o que a deixa com a textura oleosa. A percepção alcoólica é oportuna para o estilo. Muito boa IPA para quem busca um forte amargor combinado com aroma intenso.

Saúde!
Araújo Junior

domingo, 17 de agosto de 2014

Wells Bombardier - Degustação nº 54


Wells Bombardier English Premium Bitter from Wells and Young's Brewing Company, tornou-se sinônimo de dia de São Jorge e tudo o que é o Inglês. É conhecida como a "bebida da Inglaterra."

Cervajaria: Wells & Youngs
Origem: Inglaterra
ABV(%): 5,2
Estilo: Special Bitter
Embalagem: Garrafa de 500 ml

É uma cerveja de coloração cobre e turva. Sua espuma de cor bege apresentou formação pequena, cremosa e de rápida dissolução, com uma justa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma, o malte remete a caramelo e toffe, de forma média. O lúpulo está presente bem leve, deixando a cerveja com pouco amargor. Álcool bem leve ao aproximar o copo do nariz. No sabor o malte continua remetendo a caramelo, toffe. O lúpulo continua leve e picante. Presença de ésteres de frutas pretas.

O aftertaste é seco, duradouro, com equilíbrio entre o dulçor e amargor. Corpo de leve a médio, pequena rescência conferem bom drinkability a esta cerveja, que possui adstringência tenra, o que a deixa com a textura macia. A percepção alcoólica é oportuna. Gostei muito desta cerveja! Pretendo repetir a dose.

Cheers!
Luiz Araújo


Orangeboom Premium Lager - Degustação nº 53



A Oranjeboom é uma marca pertencente à United Dutch Breweries DV, que nasceu em 1671, em Rotterdam, Holanda. Seu nome e logo remetem à símbolos importantes do país, a árvore da laranjeira, que identifica a Família Real, a famosa “Casa de Orange”. É uma cerveja tradicional e presente em mais de 40 países.

Cervejaria: 
Origem: Holanda
ABV(%): 5,0
Estilo: Euro Pale Ale
Embalagem: Lata de 500 ml

É uma cerveja de coloração dourada e límpida. Sua espuma de cor branca apresentou formação grande, espumosa, porém de curta duração, com uma excelente transição de renda no copo e ausência de partículas. 

O aroma é maltado e com toque de frutas brancas de forma leve. Álcool bem leve ao aproximar o copo do nariz. O sabor é leve, floral e com amargor residual.

O aftertaste é fugaz e com o amargor se sobressaindo ao dulçor. Corpo bem leve e rescência idem conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que não possui qualquer nível de adstringência, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. 

Proost o Geluch!
Araújo Junior

Georgia Lager Lupulada - Degustação nº 52



A cervejaria Mistura Clássica abriu suas portas com um propósito muito forte: levar ao copo dos brasileiros cervejas com personalidade. Suas cervejas são elaboradas de uma maneira artesanal, sem corantes e estabilizantes, desenvolvida segundo a Lei de pureza da região da Bavária (Reinheitsgebote).

Cervejaria: Mistura Clássica
Origem: Volta Redonda-RJ (Brasil)
ABV(%): 5,3
Estilo: Premium American Lager
Embalagem: Garrafa de 600 ml

É uma cerveja de coloração dourada, com corpo claro e levemente borbulhante. Sua espuma de cor branca apresentou formação densa, cremosa e duradoura, com uma boa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma presença média de malte e lúpulo floral bem perfumado presentes de  forma intensa, além do toque cítrico. Presença de álcool leve ao aproximar o copo do nariz. No sabor o malte continua presente de forma média e o lúpulo predominante confere a cerveja ótimo amargor como o próprio rótulo sugere. Presença de ésteres cítricos.

O retrogosto é amargo e duradouro. Lembra uma IPA, porém com uma potência menor. Corpo bem leve e rescência mediana conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que possui nível de adstringência baixo, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. Uma ótima cerveja da Mistura Clássica!

Cheers!
Araújo Junior

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

DEGUSTAÇÃO DE HOJE



Estas são as cervejas que serão degustadas hoje!
  • Georgia
  • Orangeoom
  • Bombardier
  • Amnésia
Em breve posto a minha avaliação pessoal sobre cada uma.

Cheers!
Araújo Junior

VEJA A LISTA DAS CERVEJAS PREMIADAS NO INTERNATIONAL BEER CHALLENGE 2014

Em uma lista encabeçada pela Amazon Forest Pilsen, pela Bierland Belgian Blond Ale e pela Eisenbahn Dunkel, que conquistaram medalha de ouro, as cervejas brasileiras se destacaram no International Beer Challenge 2014. A lista é completada por 10 pratas e 10 bronzes. Os rótulos são das seguintes cervejarias: Eisenbahn (6, das quais 1 ouro), Bierland (5, 1 delas ouro), Baden Baden (7), Amazon Beer (2, 1 delas ouro) e Dama Bier (3). Essas medalhas mudam o quadro do Top Beer Art, o ranking das cervejas brasileiras premiadas. Confira abaixo as recém-anunciadas medalhas no IBC.

Fonte: Revista Beer Art (http://revistabeerart.com)



OURO
Amazon Forest Pilsen
Bierland Belgian Blond Ale
Eisenbahn Dunkel

PRATA
Baden Baden Red, Baden Baden Celebration Inverno, Baden Baden Golden, Baden Baden Stout, Baden Baden Witbier, Bierland Vienna, Dama 2014, Dama Fellas, Dama Stout e Eisenbahn Weizenbock

BRONZE
Amazon Forest Bacuri, Baden Baden Bock, Baden Baden Chocolate, Bierland American Red Ale, Bierland Imperial Stout, Bierland Oceânica, Eisenbahn 5 Anos, Eisenbahn Kölsch, Eisenbahn Strong Golden Alee Eisenbahn Weizenbier

No site da Revista Beer Art você pode conferir o Ranking elaborado pela mesma, com as cervejas mais premiadas, por ordem, em número de medalhas, combinado com o peso de cada uma (se ouro, prata ou bronze e se em disputa nacional, continental ou internacional). Clique e veja se a sua preferida está na lista.

Abraços,
Araújo Junior

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

DICA DE LEITURA: REVISTA BEER ART


Trago mais uma dica de leitura a todos que desejam conhecer melhor o universo cervejeiro, aprofundar seus conhecimentos e ficar por dentro das novidades.

Trata-se da Revista Beer Art. É uma Revista brasileira sobre cervejas feitas com arte. Nela você terá a oportunidade de conhecer as microcervejarias que produzem cerveja Brasil afora, receber dicas, ler histórias e acessar novidades deste universo especial em plena expansão. Descubra marcas, estilos, cervejarias, personagens e troque informações com pessoas que compartilham o prazer de beber com sabedoria.

A revista tem formato eletrônico e você pode baixar através do link http://revistabeerart.com/app-store/. Lá você encontrará links disponíveis para iPad e iPhone (http://goo.gl/7oW93d) e para Android (https://play.google.com/store/apps/details?id=com.beerart.beerart).

Você pode ainda acessar o site http://revistabeerart.com e ter acesso a conteúdo vasto, notícias e eventos ligados ao mundo cervejeiro, atualizados regularmente.

Eu recomendo!

Abraços,
Araújo Junior

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Duvel - Degustação n º51


Fundada em 1891 na Bélgica, a cervejaria Duvel-Moortgat é comandada pela quarta geração da família, mas foi através da primeira guerra mundial que o contato com a Inglaterra, tradicional na produção de "ales", desenvolvesse essa cerveja para comemorar a vitória.

Referência mundial no estilo. Anteriormente chamada de Victory Ale em homenagem a vitória na Segunda Grande Guerra. Esta cerveja passa por 3 fermentações , sendo a última delas dentro da garrafa.

Cervejaria: Brouwerij Moortgat
Origem: Bélgica
ABV(%): 8,5
Estilo: Belgian Gold Strong Ale
Embalagem: Garrafa de 330 ml

É uma cerveja de cor amarelho-palha, com corpo levemente turvo e calmo. Sua espuma de cor branca apresentou ótima formação, cremosa e duradoura, com uma boa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma frutado, percebi leve presença frutas brancas, cristalizadas e banana, de forma leve. O lúpulo surge leve e floral, deixando a cerveja com leve amargor, bem equilibrado com o dulçor apresentado. Apesar dos 8,5 %, a percepção do álcool é equilibrada ao aproximar o copo do nariz. Este talvez seja o grande perigo desta cerveja! O sabor é levemente adocicado e remete a frutado e tem um final seco. O lúpulo continua floral e contribui para equilibrar com o leve dulçor apresentado. 

O aftertaste é duradouro e amargo. O corpo entre leve e médio, além da rescência mediana conferem de certo modo um bom drinkability a esta cerveja, que possui médio nível de adstringência, o que a deixa com boa textura. A percepção alcoólica é oportuna para o estilo. Certamente vale a pena degustá-la outras vezes!

Santeie peye!
Araújo Junior

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Leffe Blond - Degustação nº 50


Produzida desde o século 13 pelos monges da Abadia Belga de Leffe, a marca Leffe é a cerveja tipo Abadia mais consumida no mundo. A tradicional receita é a mesma desde 1240. A cerveja de alta fermentação é destinada aos apreciadores de cervejas especiais e deve ser lentamente saboreada para a percepção do sofisticado e complexo sabor de um líquido com séculos de tradição.

Cervejaria: Abbaye de Leffe
Origem: Bélgica
ABV(%): 6,6
Estilo: Belgian Blond Ale
Embalagem: Garrafa de 330 ml

É uma cerveja de coloração dourada, com corpo claro e levemente borbulhante. Sua espuma de cor branca apresentou formação média, cremosa e duradoura, com uma boa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma frutado, leve presença de malte e cravo, de forma média. O lúpulo perfumado e floral está presente, deixando a cerveja com leve amargor. Álcool equilibrado ao aproximar o copo do nariz. O sabor é levemente adocicado e remete a um delicioso frutado que remete a damasco, pêssego, além de toque de cravo. O lúpulo continua floral e contribui para equilibrar com o leve dulçor apresentado. 

O aftertaste é fugaz e levemente amargo. Corpo leve e rescência mediana conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que possui baixo nível de adstringência, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. Uma cerveja com bom custo benefício!

Santeie peye!
Luiz Araújo

Bohemia Confraria - Degustação nº 49


Bohemia Confraria é a primeira Cerveja tipo Abadia do Brasil. De processo inspirado nas receitas da Idade Média, criada pelos monges e aperfeiçoada pela Bohemia. Pede que seja provada com amigos selecionados que vão dividir entre si o prazer desta tradição secular.

Cervejaria: Ambev (Grupo Anheuser-Inbev)
Origem: Brasil
ABV(%): 6,2
Estilo: Belgian Dubbel
Embalagem: Garrafa de 315 ml

É uma cerveja de coloração âmbar claro, com corpo calmo e levemente borbulhante. Sua espuma de cor bege é praticamente inexistente e de rapidíssima dissolução, com uma justa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma, o malte remete a caramelo, cereais e há um leve toque de cravo. O lúpulo está presente bem leve, quase imperceptível, deixando a cerveja com muito pouco amargor. É levemente adocicada e com presença de álcool equilibrado ao aproximar o copo do nariz. O sabor é frutado e o malte continua remetendo a caramelo. 

O aftertaste é fugaz e levemente adocicado. Corpo bem leve e pouca rescência conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que não possui adstringência mínima, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. É claro que não se compara as cervejas mais badaladas e conhecidas do estilo (abadia), mas vale o esforço da Bohemia (Ambev) em tentar fazer algo diferente saindo do lugar comum das suas pilseners industriais. 

Saúde!
Araújo Junior

Bernard Amber Lager - Degustação nº 48


Bernard Amber Lager é uma Cerveja semi-escura única produzida por uma receita de Cerveja original da Cervejaria da Família Barnard. Desde o seu lançamento, em 1995 é considerada por muitos tchecos a melhor Cerveja especial da República Tcheca.

Cervejaria: Bernard
Origem: República Theca
ABV(%): 4,7
Estilo: Amber Lager
Embalagem: Garrafa de 500 ml

É uma cerveja de coloração cobre, com corpo escuro e levemente borbulhante. Sua espuma de cor bege apresentou formação densa, média, cremosa e duradoura, com uma justa transição de renda no copo e ausência de partículas.

No aroma, o malte remete a caramelo e tostado, de forma média. O lúpulo está presente bem leve. Álcool bem fraco ao aproximar o copo do nariz. No sabor o malte continua remetendo a caramelo e um levíssimo tostado. Percebe-se um sabor adocicado no início que aos poucos entra em equilíbrio com um leve amargor. O lúpulo continua leve e suave, herbal. 

O aftertaste é fugaz e levemente amargo. Corpo bem leve e rescência mediana conferem ótimo drinkability a esta cerveja, que não possui qualquer nível de adstringência, o que a deixa com a textura aguada. A percepção alcoólica é oportuna. Uma boa cerveja!

Přípitek!
Araújo Junior

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

É SEXTA FEIRA! CERVEJAS DE HOJE


Estas são as cervejas que serão degustadas hoje!
  • Bernard Amber Lager
  • Bohemia Confraria
  • Leffe Blonde 
  • Duvel Belgian Golden Strong Ale
Em breve posto a minha avaliação pessoal sobre cada uma.

Cheers!
Araújo Junior

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

DICA DE LEITURA: LAROUSSE DA CERVEJA


Terminei de ler este livro esta semana e super recomendo para todos àqueles que estão se aventurando a este maravilhoso universo. O livro é bem abrangente e dá uma boa ideia a respeito da cultura cervejeira. Considero uma leitura obrigatória para quem gosta de cerveja.

Sinopse:
Larousse da Cerveja, a primeira obra nacional a abordar o tema com tamanha abrangência, é um marco para a cultura cervejeira no Brasil. Essa bebida tão popular, presente em todas as rodas de conversa, companheira que não pode faltar nos momentos de animação e diversão, tem revelada nesse livro toda sua diversidade, versatilidade e sua profunda importância histórica, até hoje conhecidas apenas por um círculo restrito de "cervejólifos". Fartamente ilustrada a obra apresenta, a história da bebida, seus ingredientes, o processo de fabricação, detalhes da degustação, variedade de estilos, aspectos gastronômicos, o negócio e muitas outras informações para orientar o leitor neste delicioso mergulho no rico universo da cerveja

Ficha Técnica:
Título: Larousse da Cerveja
Autor: Ronaldo Morado
Páginas: 360
Editora Larousse
Ano 2009
Assunto Culinaria-Bebidas
Idioma Português
Abs,
Araújo Junior

domingo, 3 de agosto de 2014

Hi5 Black IPA - Degustação nº 47


O estilo escolhido, Black IPA, nasceu nos Estados Unidos, em experiências de cervejas escuras extremanente lupuladas. Assim, nasceu o estilo, uma opção com leve torrado para as tradicionais American IPA. A 2cabeças Hi5 Black IPA é a primeira cerveja da 2cabeças. Sua receita mais tradicional. Cerveja com 62 de IBU (índice de amargor).

Cervejaria: Duas Cabeças
Origem: Rio de Janeiro (Brasil)
ABV(%): 6,2
Estilo: Black IPA
Embalagem: Garrafa de 355 ml

É uma cerveja de coloração marrom escuro intenso e opaco. Sua espuma de cor bege apresentou formação pequena, de curta duração, com uma justa transição de renda no copo. 

No aroma, o malte remete a tostado, sendo de forma média. O lúpulo está presente de forma intensa, cítrica. Senti também toque de frutas fretas, algo como ameixa. Presença de álcool equilibrada ao aproximar o copo do nariz. No sabor frutado, um leve toque tostado, cítrico, maracujá e frutas secas. Ao degustá-la sente-se que não é uma cerveja robusta. 

O aftertaste é duradouro e amargo. Com corpo de leve a médio e rescência baixa, não é definitivamente uma cerveja pesada. Tem uma média drinkabilidade e adstringência tenra. A percepção alcoólica é oportuna. Muito boa e saborosa!

Ein Prosit!
Luiz Araújo

Funk IPA - Degustação nº 46


“A Funk IPA nasce para acabar com preconceitos, musicais ou cervejeiros, como de que a cerveja precisa ser lager e sem graça para agradar no calor brasileiro, ou que cerveja só pode combinar com Rock. Engula o seu preconceito!” Bernardo Couto, cervejeiro da 2cabeças.

“O corpo é bem leve e, combinado com o final amargo, deixa a quase necessidade de um próximo gole, que pode ter de James Brown a Mr. Catra como trilha sonora.” Maíra Kimura, cervejeira da 2cabeças.

Cervejaria: Duas Cabeças
Origem: Rio de Janeiro (Brasil)
ABV(%): 4,7
Estilo: India Pale Ale (IPA)
Embalagem: Garrafa 355 ml

É uma cerveja de coloração âmbar claro, com corpo calmo e turvo. Sua espuma rasa (quase inexistente) de cor branca apresentou pequena formação com duração fugaz, sem uma transição de renda no copo e ausência de partículas.

O aroma médio, porém fugaz remete a notas cítricas, de frutas vermelhas e florais. O lúpulo se sobressai ao malte, deixando a cerveja com forte amargor. Álcool bem fraco ao aproximar o copo do nariz. O Sabor é médio, com notas cítricas, maracujá e herbáceo.

O retrogosto é médio e com o amargor se sobressaindo ao doce. Corpo bem leve e rescência baixa conferem média drinkability a esta cerveja, que possui pequeno nível de adstringência. Sua textura é sedosa. A percepção alcoólica é oportuna. Boa cerva!

Salute!
Araújo Junior