Ninkasi, a Deusa da Cerveja

Ninkasi é a antiga deusa sumeriana da cerveja, que transformou uma mistura de água e cevada em um líquido dourado, conhecido hoje como cerveja.

Era uma deusa muito popular que fornecia cerveja aos deuses. Ela era considerada a própria personificação da cerveja.

Receba as postagens do Ninkasi Beer Club no seu e-mail!

terça-feira, 30 de junho de 2015

Microcervejarias podem dobrar a participação no mercado com inclusão no Supersimples

Segundo Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), a redução da carga tributária seria de aproximadamente 30%



A Câmara do Deputados vota nesta quarta-feira (1) a emenda que busca incluir produtores de bebidas alcoólicas no Supersimples (regime simplificado de tributação de micro e pequenas empresas) e segundo André Cancegliero, sócio e cervejeiro da Urbana, cervejaria artesanal paulistana, a inclusão impactaria diretamente o mercado de cervejas especiais. “Hoje temos uma carga tributária de 60%, ou seja, dos 10 mil litros que uma microcervejaria produz por mês, seis mil litros vão para o caixa do governo em impostos, restando apenas quatro mil litros para pagar todos os custos da empresa. Isso impede o crescimento porque não temos escala de produção”, explica.

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Jorge Gitzler, afirma que o setor de microcervejarias reponde por cerca de 1% do mercado total de cerveja com um faturamento de R$ 3 bilhões ao ano. Segundo ele, com a inclusão no Supersimples, seria possível dobrar a participação no mercado em cinco anos e movimentar mais de R$ 6 bilhões ao ano. “O fato é que o Governo não abrirá mão da arrecadação, pelo contrário, vai arrecadar o que não está recebendo ao possibilitar a formalização de muitos pequenos negócios”, argumenta.

Sobre a Urbana

Fundada em 2010 em São Paulo, a cervejaria Urbana começou como hobby e, logo, o objetivo de criar 12 cervejas com rótulos que acompanhavam as receitas no prazo de um mês foi alcançado. A brincadeira ganhou volume e em apenas três anos a Urbana se profissionalizou, adquirindo um galpão para a instalação de um laboratório. Com mais de 200 cervejas em seu portfólio, apenas no ano de 2014 a Urbana lançou 10 rótulos. Tem como sócios o cervejeiro André Cancegliero, o publicitário Fernando Pieratti, que elabora os divertidos rótulos, e João Luiz Braga, que trouxe sua experiência em gestão financeira ao negócio.

Fonte: Assesssoria 




Rótulos de cervejas sem álcool devem afirmar que produto contém álcool em até 0,5%

Rótulos de cervejas sem álcool devem afirmar que produto contém álcool em até 0,5%

Secretaria de Comunicação/Procuradoria-Geral da República

O Ministério Público Federal expediu recomendação ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para que altere o item da Proposta Brasileira para os Padrões de Identidade e Qualidade dos Produtos de Cervejaria do Mercosul, elaborada pelo Ministério, que se refere a rotulagem de cerveja sem álcool, excluído a expressão “pode” da expressão - " Pode conter álcool em até 0,5% vol”, passando a constar a seguinte frase de advertência: "Contém álcool em até 0,5% vol.". O MPF também recomenda que sejam realizadas fiscalizações periódicas em relação ao teor alcoólico residual máximo em porcentagem de volume, com tolerância de 0,1% para mais ou para menos.

Embora o MPF queira a alteração do item, a procuradora da República Silva Mocellin, autora da recomendação, considera que a proposta do Ministério da Agricultura para o Mercosul “representa inegável avanço na regulamentação da matéria”. Ela justifica a exclusão da palavra “pode” em razão de gerar dúvida no consumidor.

Em relação a rotulagem da cerveja zero, o MPF não recomendou nenhuma alteração. E, portanto, permanece a redação que afirma que “na rotulagem da cerveja sem álcool somente poderá ser utilizada a expressão zero álcool, zero%, 0,0% álcool ou similares no produto que contiver até 0,05% vol. de álcool residual”.

A recomendação foi encaminhada à ministra da Agricultura, Kátia Abreu, pelo coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF (Consumidor e Ordem Econômica), subprocurador-geral da República José Elaeres Teixeira.

Confira aqui a íntegra da Recomendação nº 7/2015.

Fonte: Olhar Direto

Microcervejaria instalada dentro do Eataly começou a funcionar

Eataly

Muito se falou da filial paulistana do faraônico complexo gastronômico Eataly, inaugurada em maio, mas pouca gente sabe que o espaço abriga também uma microcervejaria, instalada no último dos três andares, junto ao restaurante Brace Bar & Griglia.

Nesta terça-feira (23/6), o Eataly São Paulo fez a abertura oficial desta cervejaria, que terá curadoria do italiano Teo Musso, fundador da célebre Baladin, em parceria com Marcelo Stein, idealizador da Academia Barbante de Cerveja e proprietário da importadora Bier&Wein. A data marca o início da produção das primeiras cervejas do Eataly, que serão dos estilos bohemian pilsner, witbier (de trigo, ao estilo belga), tripel e session india pale ale.

É possível encontrar bons chopes já disponíveis na casa. Entre eles, vale provar o refrescante weiss da Academia Barbante (9,8 reais; 250 mililitros), o india pale ale Mula (15 reais; 250 mililitros), do bar-fábrica Cervejaria Nacional (em Pinheiros) e, o melhor deles, o Urbana Bergamosh (16 reais; 250 mililitros; foto), do estilo mild ale. Com tangerina e pimenta-rosa na receita, tem frescor e amargor na medida e apenas 3,7% de álcool.

Eataly São Paulo
Avenida Juscelino Kubistchek, 1489. Itaim, tel.: (11) 3279-3300.

Fonte: CluBeer

Retratos da Fama TV: Controle sobre comerciais de cerveja é exagerado ou a marcação deve ser cerrada mesmo?

Conar suspendeu propaganda da Itaipava com Aline Riscado e orientou Bruna Marquezine a apagar foto como garota-propaganda da Antártica



O canal Retratos da Fama TV desta semana embarca na polêmica do controle sobre as campanhas publicitárias de marcas de cerveja, que recentemente entraram na mira do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) e deram o que falar, principalmente porque suas garotas-propagandas são lindas e famosas.

Primeiro, Bruna Marquezine, a Marizete de I Love Paraisópolis, foi orientada a apagar uma foto postada em suas redes sociais na qual aparece representando a Antártica no Carnaval deste ano. O órgão considerou que era má influência para os fãs adolescentes da atriz. Depois, o comercial da Itaipava, com a ex-bailarina do Faustão Aline Riscado, foi suspensa, por conter muita sensualidade.

Essa marcação cerrada é exagerada ou o Conar tem razão e deve continuar pegando pesado no controle?

Assista o vídeo em http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2015/06/retratos-da-fama-tv-controle-sobre-comerciais-de-cerveja-e-exagerado-ou-a-marcacao-deve-ser-cerrada-mesmo-4788913.html

Fonte: Diário Gaúcho

Projeto que tramita na Assembleia de Minas cria "cerveja da paz"

Deputado estadual propõe lei com único parágrafo estabelecendo que a bebida não é capaz de gerar atos de violência nos estádios. Objetivo é liberar o álcool no Mineirão


Projeto que tramita na Assembleia de Minas cria "cerveja da paz"

Por Flávia Ayer

Um projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa pretende trazer de volta a bebida alcoólica para os estádios esportivos mineiros de uma forma inusitada. Para dar um drible na legislação federal e marcar o gol que parte dos torcedores espera, o deputado estadual Anselmo José Domingos (PTC) quer decretar, pela lei, que a cerveja, preferência nacional dos brasileiros e uma das principais companhias dos frequentadores assíduos dos jogos de futebol, não é capaz de provocar atos violentos do consumidor.

O alvo é a Lei 12.299/10, o Estatuto do Torcedor, que considera ilegal a entrada e permanência nos estádios com bebidas ou substâncias “proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência”. Segundo parágrafo único do projeto de lei de Anselmo Domingos, a cerveja “não é bebida suscetível de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência em estádios, arenas desportivas e eventos desportivos”.

Já o assunto e o primeiro artigo da proposta trazem praticamente uma definição de dicionário: “Define-se cerveja como uma bebida alcoólica carbonatada, produzida através da fermentação de materiais com amido, principalmente cereais maltados como a cevada e o trigo, incluindo água como parte importante no processo e, em algumas receitas, lúpulo e fermento, além de outros temperos, como frutas, ervas e outras plantas”.

“A gente, na realidade, faz uma redundância apenas para confirmar que cerveja é uma bebida alcoólica que não é capaz de gerar violência”, explicou o autor do texto. O parlamentar disse ter corrido para apresentar o projeto, que ainda pode ser aperfeiçoado. O projeto de Anselmo vai ser apreciado em conjunto com outro, de autoria de Alencar da Silveira Junior (PDT), que delimita o período em que a venda poderá ocorrer durante as partidas de futebol. Segundo Anselmo Domingos, sua versão é mais ampla, trazendo uma visão diferente do projeto ao qual foi anexado.

Alencar propõe que a bebida seja liberada nos primeiros 45 minutos de jogo e no intervalo, proibindo a venda e o consumo em dias de jogos a partir do primeiro minuto do segundo tempo. A regra, que enquadra os 500 metros do entorno das arenas, valerá para as dependências de estádios da administração pública direta e indireta do estado. Alencar diz que seu projeto atende interesses do esporte mineiro, “motivando o retorno aos estádios dos que abandonaram em face ao perigo que a violência representa para a sua integridade física”.

Outro projeto anexado ao de Alencar foi o de Gustavo Valadares (PSDB), que prevê a regulamentação da venda de bebidas alcoólicas durante todo o tempo das partidas. A restrição é que sejam cerveja, chope ou afins e que o recipiente tenha até 500 ml. Anselmo Domingos acredita que o projeto de Alencar esteja com as discussões mais avançadas. “Vou trabalhar pelo meu, mas o projeto do Alencar tem preferência nisso. Se ele acertar, a gente recua e vamos aprovar o dele”, afirmou. O projeto de lei que autoriza as bebidas está na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia.

Os deputados estaduais já tentaram aprovar a liberação da bebida em legislaturas anteriores, mas o tema é sempre polêmico na Casa. No início de junho, a Comissão de Esporte, Lazer e Juventude fez uma audiência pública para discutir o assunto. O Supremo Tribunal Federal ainda deve se posicionar em ações diretas de inconstitucionalidades sobre leis aprovadas nos estados da Bahia e Espírito Santo.

RETROCESSO Em audiência pública na Câmara Municipal de Belo Horizonte sobre a venda de bebida alcoólica em estádios, o promotor de Justiça Fernando Abreu afirmou que a liberação representaria um retrocesso. “O consumo de álcool potencializa a violência e aumenta o número de ocorrências nos jogos. Toda e qualquer medida favorável à comercialização interna é um retrocesso”, disse.

O gerente de operações do consórcio Minas Arena, que administra o Mineirão, Severiano Braga, reforçou a experiência negativa da venda de bebidas alcoólicas na Copa do Mundo. “Não vimos cenas boas. Bares foram saqueados, pais perderam os filhos. Ela (a bebida) potencializa reações violentas”, contou. “Se foi liberada, tem que haver mecanismos de controle e regras”, completou.

Debate 

A venda de bebidas alcoólicas em estádios divide vereadores de BH, onde tramitam projetos proibindo e também permitindo o comércio em eventos esportivos. Ontem, o assunto foi tema de audiência pública. O subcomandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar, major Marcelo Campos Pinheiro, afirmou que a corporação é contra a venda dentro e fora dos estádios. “A PM é contra qualquer uso. Os torcedores entram no estádio alcoolizados e faltando poucos minutos para o jogo. É complicado 10 mil pessoas querendo entrar na mesma hora. Estamos tendo problema no acesso”, afirma. Já o secretário municipal adjunto de Fiscalização de BH, Alexandre Salles Cordeiro, defende a liberação e reconhece que a fiscalização é pequena perto do número de ambulantes. “A prefeitura também é a favor que se libere a esplanada do Mineirão para se colocar uma feira de alimentos”, diz.

Fonte: em.com.br

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Uma aliança para difundir cerveja e café especiais

Instituto da Cerveja e Nespresso
Cursos serão oferecidos na capital paulista, na sede do Instituto da Cerveja e no Nespresso Expertise Center


Parceria entre o Instituto da Cerveja e a Nespresso proporcionará cursos


Em consumo, no Brasil o café só perde para a água, e a cerveja é a principal bebida alcoólica. Mesmo assim, a degustação dos dois ainda está na fase de desenvolvimento no país. Para ampliar a difusão do conhecimento sobre as duas bebidas, a Nespresso e o Instituto da Cerveja Brasil formalizaram parceria.

Conforme o acertado entre as duas instituições, a Nespresso vai proporcionar ao longo do ano seis turmas de cursos criados para alunos do Instituto da Cerveja Brasil. As aulas serão ministradas ou na sede do Instituto, em Moema, ou no Nespresso Expertise Center, no Jardim Paulista, ambas em São Paulo (SP).

Vitor Gabira, Coffee Sommelier da Nespresso, explica:

“As grades ainda não estão definidas, mas com esses cursos especiais que montaremos pretendemos mostrar a sinergia entre as particularidades das formas artesanais da cerveja e do café. Isso fica mais claro quando as pessoas começam a conhecer desde o processo de produção de cada bebida, que começa no plantio, até as maneiras mais adequadas e prazerosas de degustação.”

Os alunos do Instituto da Cerveja Brasil têm, também, preferência na inscrição nas aulas dos cursos e nos workshops ministrados na sede da marca suíça de cafés. Basta inserir o código do Instituto no momento da inscrição. Os cinco cursos oferecidos hoje pela Nespresso são:

A Descoberta do Café – Introdutório, ensina análise sensorial e técnicas de degustação de café;
Arte da Harmonização – Harmonização de café com chocolates, bolos etc;
Criações Supremas – Drinques especiais com bebidas geladas, incluindo chope de café com cerveja;
Café e Leite – Com receitas de café com leite;
Chocolates Nespresso – Características do chocolate e do café e harmonização.

Kathia Zanatta, cofundadora do Instituto da Cerveja Brasil e sommelier de cervejas, destaca:

“Os sommeliers e cervejeiros já estão acostumados a sentir o aroma e o sabor do café em algumas cervejas, que podem ser provenientes tanto dos maltes tostados quanto pela possível adição de grãos de café durante a produção. Portanto, queremos possibilitar aos nossos alunos a expansão dos conhecimentos dos diferentes tipos de café, das suas possibilidades de harmonização e promover harmonizações comparativas de café e cerveja, além de outros conhecimentos. Acreditamos que isso irá ajudar a aguçar ainda mais os sentidos, trazendo benefícios também nas degustações e análises sensoriais das cervejas”.

Fonte: Revista Beer Art

A parte indigesta da produção, distribuição e comercialização de cervejas artesanais no Brasil

Embora um dos grandes atrativos para empreender nesta área segundo experiência de vários empresários do setor seja o prazer envolvido em todas as etapas do trabalho, “nem tudo são flores”



Os termos microcervejaria, ou cervejas gourmets estão relacionados as cervejas produzidas de forma artesanal em volumes muito inferiores as grandes empresas de cerveja, este tipo de cerveja tem um apelo artesanal, possibilitando opções de consumo de produtos cervejeiros exclusivos e com vários tipos de texturas, aromas e sabores.

As microcervejarias em geral surgem normalmente como um hobby e com frequência acabam se transformando em verdadeiros empreendimentos com grande potencial de crescimento.

Segundo a Associação Brasileira de Microcervejarias (Abracerva), atualmente são aproximadamente 300 empresas atuando neste segmento, dentre estas existem desde as chamadas nanocervejarias, até empresas de porte nacional.

Com o crescimento desde mercado, muitos bares e restaurantes vêm produzindo suas próprias cervejas buscando assim incrementar seus negócios.

Este tipo de empreendimento não foge à regra da burocracia, das regras fiscais e regulatórias além da alta carga tributária que assolam todo e qualquer empreendimento no país.

As cervejarias artesanais além de terem que cumprir todas as etapas aplicadas a qualquer tipo de empresa como registro na Junta Comercial, obtenção de inscrição na Receita Federal do Brasil entre outros órgãos só podem ser comercializadas após a obtenção de registro nos órgãos regulatórios dentre eles, ANVISA e o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

A obtenção das licenças expedidas por estes órgãos além de ser um processo complexo é moroso e custoso fazendo com que muitos empreendedores em potencial desistam de empreender neste seguimento ou acabem por se arriscarem comercializando sua produção de forma irregular.

O registro da microcervejaria deverá ser solicitado junto a Superintendência Federal de Agricultura, órgão que representa o Ministério da Agricultura nos estados.

A solicitação de registro será analisada, o estabelecimento vistoriado e validado pelo fiscal federal agropecuário.

Não obstante o registro da empresa, deverá ainda ser solicitado junto ao mesmo órgão o registro da bebida que pretende produzir, informando sua composição, que será analisada segundo os parâmetros legais estabelecidos.

Além de toda essa odisseia para a obtenção da autorização para produção e comercialização das cervejas é necessário ainda que os órgãos municipais também concedam autorização o que leva a uma nova odisseia.

Então com todas essas autorizações em mãos ainda resta a questão do rótulo da cerveja o que leva o futuro empresário a uma nova odisseia de leis e características que devem ser atendidas para só então conseguir de fato dar início ao negócio.

Uma das soluções é contar com empresas especializadas na obtenção de toda a documentação necessária para a produção e comercialização de cerveja.

Já no que tange a tributação das empresas produtoras de cervejas, foi publicada em 19 de janeiro de 2015 a Lei nº 13.097, e traz as novas regras de tributação federal das bebidas frias, nas quais se inclui a cerveja.

As alterações trazidas pela referida lei entraram em vigor a partir de 1º de maio, e dividem opiniões em especial por conta da extinção da Pauta Federal.

Assim, em que pese de forma geral a referida legislação tenha resultado na diminuição das alíquotas de IPI, PIS e COFINS além da concessão de descontos de acordo com o volume de produção, para as microcervejarias resultou em um aumento na carga tributária.

De acordo com o disposto na referida legislação os impostos passarão a incidir sobre o preço da de saída da cerveja tornando a grande maioria das microcervejarias sujeitos tributários, o que não ocorria na sistemática anterior pois ficavam abaixo do radar da antiga pauta.

Em 30 de abril de 2015 o decreto nº 8.442/2015 que regulamenta a Lei nº 13.097/2015, estabelecendo o conceito de cerveja e chope especial para fins de redução das alíquotas do IPI e das Contribuições para PIS e COFINS além da definição de cervejas especiais.

De acordo com o art. 2º do referido diploma legal, classifica como cerveja "especial" a cerveja que possuir 75% (setenta e cinco por cento) ou mais de malte de cevada, em peso, sobre o extrato primitivo, como fonte de açúcares e; chope especial como sendo a cerveja especial não submetida a processo de pasteurização para o envase.

Não suficiente a indignação e dúvidas geradas pelos dispositivos legais destaca-se ainda a omissão quanto ao tratamento dispensado as cervejarias produtoras de vários estilos de cervejas no que tange a aplicação das reduções de alíquotas, o limite de litragem e o tratamento dispensado aos estilos que não se enquadram no conceito de cerveja especial definido pelos dispositivos legais.

Conforme podemos notar com base nas considerações acima embora um dos grandes atrativos para empreender nesta área segundo experiência de vários empresários do setor seja o prazer envolvido em todas as etapas do trabalho, “como nem tudo são flores”, e principalmente no Brasil onde podemos afirmar que o caminho do empreendedor é composto muito mais de pedras do que de flores, as questões regulatórias e tributárias que envolvem a abertura e a atividade de produção e distribuição de cervejas especiais são complexas e bem menos saborosas que o produto final oferecido por estas empresas.

Fonte: Administradores

Growler Day incentiva consumo de cerveja artesanal em refil

Bar e Armazém Santo Prazer

Os amantes da cerveja artesanal têm mais uma opção para consumir grande quantidade da bebida com preço promocional desde o sábado (27). A ideia do primeiro dia do “Growler Day Santo Prazer” é vender a cerveja em um garrafão de cerâmica, chamado de growler, para armazenar de um até a dois litros de cerveja artesanal e consumir em casa.

Promovido pelo Bar e Armazém Santo Prazer (Rua João XXIII, 408 – loja 1), das 11h às 15h, o evento vai se repetir em todos os sábados, nos mesmo horário. A entrada é gratuita. O objetivo é difundir o consumo de refil com os growlers.

Os apreciadores de cerveja artesanal poderão levar o próprio growler ou comprar no bar, enchê-lo de cerveja on tap (na pressão) e bebê-la em casa ou no próprio local. Depois que a bebida acabar, é só ir de novo ao bar para reabastecê-lo. Muito comum na Europa, os growler são vendidos em pubs e conservam a bebida por até uma semana.

Neste primeiro dia, o evento vai oferecer a degustação de dois tipos de cervejas artesanais: a Montfort Rye IPA, produzida pela cervejaria Bodebrown, de Curitiba, e a ESB, da cervejaria Klein, de Campo Largo. As bebidas serão vendidas com valor promocional para a degustação, mas o bar ainda não divulgou os preços.

Quem ainda não tiver o growler e quiser adquirir no local, o garrafão de um livro será vendido por R$ 75, e o de dois litros por R$88.

Mais informações pelo telefone: (43) 3357-2508.


Growler Day Santo Prazer
Data: Todo Sábado a partir do dia 27/06
Horário: das 11h às 15h
Local: Bar e Armazém Santo Prazer
Rua João XXIII, 408 – loja 1

Fonte: Informativo Acadêmico

Festa do Colono Alemão tem degustação gratuita de cerveja artesanal em Petrópolis



Entre os dias 26 de junho a 05 de julho, Petrópolis se transforma em uma filial da Alemanha. No período a cidade recebe a 26º edição da Bauernfest, a Festa do Colono Alemão. O evento, regado a cerveja, acontece no Palácio de Cristal e em outros pontos da cidade como a Casa de Educação Visconde de Mauá, no Centro de Cultura Raul de Leoni e na unidade do Senac.

A programação conta com desfiles folclóricos, bandas típicas, grupos de danças folclóricas, teatro, filmes, atrações infantis, apresentações de corais, concursos de Chopp a Metro e Chapéu mais enfeitado.O evento conta com uma vila germânica. E, ainda workshops de culinária alemã, exposições culturais, degustação de cervejas artesanais e foodtrucks.

A Associação dos Cervejeiros Artesanais promoverá degustação Catraca Livre aos sábados, das 14h às 18h, no Palácio de Cristal. Cervejas serão vendidas durante todo o evento. Para conferir a programação completa, acesse o link.

Fonte: Catacra Livre

Shopping Metropolitano Barra recebe festival com Food Trucks e Bikes


Evento apresentará variedade de cardápios e produtos para todos os gostos e paladares


De 02 a 05 de julho o Shopping Metropolitano Barra vai apresentar o Festival de Sabores com as Food Trucks e Bikes mais badaladas da cidade. Organizado pelo Chef Mix Gourmet, feira gastronômica nos moldes das feiras europeias, o festival reunirá grandes marcas como a Food bike Beer Bike 21, com cervejas especiais, e o Da Pista Food Truck, com vinhos e espumantes.

O Festival de Sabores acontecerá das 12 às 22h, de quinta a sábado, e no domingo, das 13 às 21h.

Fonte: Assessoria


Time faz jogo virar 'balada' com cerveja gringa, e público aumentou em 900%

Clube teve a ideia de oferecer cerveja dinamarquesa a preços bem acessíveis nos jogos



Há alguns anos os torcedores no Brasil não podem ter o gostinho de ver o jogo do seu time no estádio tomando uma cerveja geladinha. Mas ao menos os fãs de um time estão liberados. O Espírito Santo FC vende até cerveja importada em suas partidas e aumentou seu público em 900%.

Para deixar a arquibancada mais animada, o clube teve a ideia de oferecer cerveja dinamarquesa a preços bem acessíveis nos jogos da segunda divisão do campeonato estadual no Espírito Santo, estado em que a comercialização da bebida é permitida em arenas esportivas. O estádio costumava receber 100 torcedores, e hoje tem público de até mil pessoas.

A diretoria fez uma parceria com um fornecedor e a cerveja Faxe, que normalmente é encontrada nos supermercados por até R$ 12, pode ser comprada por apenas R$ 5 no estádio. Em alguns dias promocionais, o preço chegou a R$2,50.

Além disso, quem for com camisa do time, tem direito a duas cervejas gratuitamente. E em cada jogo é vendido um estilo diferente da bebida: pilsen, trigo ou a opção com teor alcoólico de 10%. As cervejas tradicionais geralmente têm teor 4,5% a 5%.

A venda de bebidas alcoólicas é proibida nos estádios brasileiros como ferramenta para inibir a violência nos estádios. Mas, no Espírito Santo, uma lei estadual de 2014 foi sancionada pelo governador Renato Casagrande, autorizando e regulamentando a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em estádios e arenas esportivas do estado.

Mas esse não é o único atrativo para quem quer assistir in loco a uma partida da equipe. O clube transformou os jogos em uma experiência muito maior e, para alguns, virou praticamente uma balada.

Um show de samba anima os torcedores antes das partidas, no intervalo e até 1 hora depois do apito final. Já existe até um projeto ousado de fazer uma festa, a "Espirito Santo Samba Clube", caso a equipe avance às fases finais da Copa Espírito Santo.

As ações vêm dando muito resultado. A torcida costumava ser formada por 50 a 100 pessoas em uma partida normal. Já no último jogo do campeonato, que sagrou o Espírito Santo como campeão, mil pessoas foram ao estádio.

Um dos gestores do clube, André Leibel, conta que a ideia de transformar o jogo em um dia de entretenimento surgiu a partir da máxima que 'samba, cerveja e futebol' são três grandes paixões dos brasileiros.
O clube fez uma pesquisa para saber porque os bares na cidade costumam ficar cheios nas tardes de sábado, quando são televisionados jogos de times cariocas e mineiros. Os clientes responderam que era uma forma de encontrar os amigos e beber cerveja.

"A partir daí pensamos em fazer uma promoção de cerveja. Ao invés de ir para o bar, eles veem um jogo ao vivo, tomando cerveja importada e ouvindo um samba. E aí acabam tomando gosto pelo time, tendo carinho e nós ganhamos novos adeptos. Isso tem atraído bastante público que não ia ao estádio e passava a tarde no bar, até de outros times. Agora temos grupos de até dez amigos que, ao invés de marcarem no bar, vêm para cá", conta ele.

O clube não parou nas ações de marketing. Os resultados em campo têm sido surpreendentes. O time foi campeão da segunda divisão capixaba com um alto rendimento de 13 vitórias e três empates.

É um dos únicos times invictos no Brasil na temporada e tem o aproveitamento mais alto entre os todos os times do futebol brasileiro em 2015: 87,5%. O segundo time com melhor rendimento é o Nacional, campeão amazonense, com 86,3%, com 18 vitórias e três derrotas.

André Leibel acredita que o aumento do público contribuiu para o título. "O público, aos poucos, vai se identificando com os atletas, conhecendo melhor os jogadores e cantando musica em referência ao time. Quem já jogou bola sabe que jogar com público e com torcida a vibração passada é maior. Logicamente, somado ao nosso planejamento, estrutura física, escolha de jogadores e comissão técnica. A torcida é mais um elemento para o sucesso do time".

Com o sucesso, o time já tem uma ambição maior. Seguir os passos dos times catarinenses como a Chapecoense e chegar à Série A do Brasileirão em 2022. Haja cerveja!



Fonte: Com informações do Uol

Aprenda a fazer um incrível fondue de queijo com cerveja para se aquecer nesse inverno


Ingredientes
- 1 dente de alho cru 
- 200 ml de cerveja tipo Ale (escolha uma clara) 
- 200g de queijo gruyére 
- 200g de queijo ementhal 
- 200g de queijo gouda 
- 1 colher de sopa de amido de milho 
- Noz moscada a gosto 
- Cubos de pão italiano para acompanhar

Modo de preparo
Esfregue o dente de alho cru no fundo da panela e acrescente a cerveja. 
Espere a cerveja ferver, e abaixe o fogo para começar acrescentar os queijos aos poucos. 
Depois de derretido os queijos, passe para o fogo médio para evaporar a cerveja e deixar o fondue mais cremoso. 
Para engrossar mais rápido, misture uma colher de amido de milho em um copo de água, e misture muito bem. 
Desligue o forno, e tempere com um pouco de noz moscada. 
Sirva com pedacinhos de pão italiano.

Fonte da receita: Só penso em comida

Conheça mitos sobre a cerveja que fazem você desperdiçar dinheiro


Assim como quase todos os assuntos da vida, não é preciso procurar muito para encontrar autodeclarados especialistas em cerveja espalhando mentiras e mitos a respeito da bebida. Isso acabou se tornando algo tão comum que algumas dessas lorotas acabaram se espalhando pela sociedade afora e acabaram sendo consideradas como fatos verdadeiros.

No entanto, a verdade é que esses erros comuns muitas vezes causam justamente os efeitos que procuravam evitar, fazendo com que você não somente não consiga aproveitar a sua gelada como gostaria, mas também acabe desperdiçando seu suado dinheirinho. Caso você queira evitar mais gastos desnecessários, não deixe de conferir a seguir os três mitos mais acreditados a respeito da cerveja.

1 – Cerveja gelada se estraga caso fique quente

De acordo com Tim Kelly, o mestre cervejeiro da Tun Tavern, nos EUA, a maioria das cervejas geladas não sofre problema algum simplesmente porque voltaram à temperatura ambiente. Segundo o profissional, o fator que faz com que a bebida fique com um gosto estranho e um odor desagradável na verdade é a exposição a certos tipos de luz.

Independentemente de estar gelada ou “quente”, a cerveja só adquire o típico odor de papelão molhado caso o líquido seja atingido por raios ultravioleta, que causam uma mudança química em sua mistura. Kelly afirma que as bebidas dentro de garrafas transparentes ou em tons de verde são mais afetadas do que as de vidro marrom e diz que garrafas expostas a lâmpadas fluorescentes também sofrem o mesmo efeito.

Latas fechadas, por sua vez, são imunes ao processo. Dessa forma, se você costumava jogar suas cervejas fechadas no lixo apenas porque voltaram à temperatura ambiente, provavelmente estava desperdiçando dinheiro, já que bastaria resfria-las novamente para que voltem a ficar boas. Já as garrafas que passaram o dia tomando sol ou recebendo luz UV dificilmente continuarão agradáveis, mesmo que não tenham esquentado.

2 – Cerveja de garrafa é mais gostosa que a de lata

Se você simplesmente perguntar para um suposto entendedor de cervejas se ele gosta mais das que vêm em garrafas ou em latas, é provável que ele escolha a primeira opção. No entanto, um teste cego realizado pelo Huffington Post, usando bebidas de quatro marcas em ambos os tipos de recipientes revelou que eles acabavam preferindo o sabor das bebidas enlatadas 75% das vezes.

Os participantes só conseguiam adivinhar qual cerveja vinha em qual tipo de container metade das vezes, mas parte dessa proporção pode ser devida a simples palpites acertados ao acaso. Some a isso o mito anterior e as vantagens das latas só tendem a crescer – o que também vem sendo notado pelas cervejarias artesanais, que adotam o formato cada vez mais.

Outro fator interessante é que, de forma geral, comprar o equivalente a um litro de cerveja em garrafas acaba custando mais caro do que a mesma quantidade do líquido enlatado. Por fim, as latas também tendem a ser mais sustentáveis, já que, segundo a Aluminum Association, os consumidores costumam reciclar 56,7% de seus recipientes de alumínio, superando com folga os 34,1 das garrafas de vidro.

3 – Cerveja e comida chique não combinam

Pense na última vez em que você foi ou ouviu alguém falando sobre uma refeição e um restaurante luxuoso e é provável que você se lembre de que o alimento em questão provavelmente foi acompanhado por vinho. A maioria das pessoas costuma acreditar que a cerveja é um bom acompanhamento para petiscos de bar, churrasco ou pizzas, mas não para comidas requintadas.

Segundo a Craft Beer, no entanto, essa concepção está errada e mesmo as refeições mais chiques podem ser apropriadamente complementadas por um tipo diferente de cerveja. Caranguejos, por exemplo, podem ser acompanhados por uma boa hefeweizen, enquanto um salmão cai bem por uma pilsner clássica e pato combina com uma doppelbock. Confira a seguir a tabela completa (em inglês):

Fonte: meionorte.com

Rota oficial da cerveja vai ser desenvolvida pelo Senac até março

Os dados traçam o perfil de um blumenauense que tem um estilo de vida pautado pelo consumo da boa cervejaFoto: Gilmar de Souza / Agencia RBS
Os dados traçam o perfil de um blumenauense que tem um estilo de vida pautado pelo consumo da boa cervejaFoto: Gilmar de Souza / Agencia RBS

Por Osiris Reis - osiris.reis@santa.com.br

Para fomentar o turismo cervejeiro na região o Programa Senac Turismo trabalha para desenvolver até março de 2016 a Rota da Cerveja do Vale Europeu. O pedido foi feito por entidades da área e pela Secretaria de Turismo de Blumenau. A ideia é elaborar um roteiro oficial que possa ser promovido pela administração pública e comercializado pelas agências de turismo. Até 2012 eram distribuídos no Vale do Itajaí folhetos indicando a rota das cervejarias, mas o material publicitário foi recolhido pela atual gestão.

O gestor do Programa Senac Turismo, Luis Fernando Albalustro, explica que a intenção é promover o turismo de experiência, onde cada cervejaria apresentará novidades para o turista, como acompanhamento do processo produtivo e degustação de produtos derivados da cerveja. A ideia do projeto também é capacitar a região para a captação de recursos e pleitear reconhecimentos de organizações internacionais, como a Unesco.

– A partir de agora começará um estudo do roteiro de cervejas artesanais, que não é somente a visitação às fábricas. É também ter restaurantes integrados onde será possível harmonizar pratos e o garçom vai poder falar sobre a cerveja artesanal – antecipa o secretário de Turismo de Blumenau, Ricardo Stodieck.

O gestor acredita que o trabalho contratado é importante para desenvolver o turismo na região, mas chama a atenção para os números de visitações do Museu da Cerveja que giram em torno de 50 mil pessoas por ano, entre turistas e blumenauenses. Em 2014 foram 46.693 assinaturas, sendo quase 40 mil blumenauenses.

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Amazônia The Classic Brazilian Beer - Degustação nº 263

Cerveja Amazônia The Classic Brazilian Beer

A NewAge Bebidas e a Cervejaria Germânia lançaram no mercado nacional a cerveja Amazônia, criada em 1993 e exportada até então exclusivamente para a Europa e Ásia.

Amazônia, The Classic Brazilian Beer, é uma cerveja puro malte, do tipo Pilsen, constituída por um blend de maltes especiais e ingredientes rigorosamente selecionados, preservando a tradição de utilizar apenas quatro elementos em sua receita: água, lúpulo, malte e fermento.

Cervejaria: GermâniaABV(%): 5
Origem:Vinhedo-SP (Brasil)
Estilo: German Pilsner
Embalagem: Garrafa de 600 ml

É uma cerveja de coloração dourada de corpo claro e borbulhante. Sua espuma de cor branca  e cremosa. Apresentou média formação, boa persistência, com uma excelente transição de renda no copo.

No aroma médio, o malte remete cereais e panificação. O lúpulo está presente de forma leve. Álcool leve ao aproximar o copo do nariz. O sabor acompanha o aroma e o lúpulo proporciona levíssimo amargor a cerveja. O dulçor se sobressai ao amargor.

O final é duradouro, levíssimo amargor e seco . Corpo leve e rescência de idem bom drinkability a esta cerveja. Percepção alcoólica oportuna. Refrescante.

Um brinde!
Luiz Araújo

Inscrições para estandes no Festival da Cerveja se iniciam dia 29/06

O sistema de vendas será o mesmo adotado na edição 2015 (Foto: Divulgação)

O primeiro lote priorizará cervejarias que participaram de, no mínimo, quatro edições


As marcas interessadas em participar da edição 2016 do Festival Brasileiro da Cerveja podem separar a documentação. As inscrições para compra de estandes se iniciam na próxima segunda-feira (29/6). O sistema de vendas será o mesmo adotado na edição 2015 com envio de senhas por parte da organização. O primeiro lote priorizará as cervejarias que já participaram de, no mínimo, quatro edições do Festival. As inscrições nesta etapa vão até o dia 5 de julho.

O segundo lote abre no dia 6 de julho, quando os estandes poderão ser reservados por cervejarias que participaram do festival em até três edições e por empresas com venda de produto final ao público (souvenirs, clubes de assinatura, escolas, etc), que tenham participado ao menos de uma edição. A inserção de novos expositores só será possível se houver disponibilidade ou desistência. Caberá à comissão avaliar a participação dos novos inscritos.

No primeiro dia do evento, 9 de março, o festival abrirá às 17h para atendimento de empresas e às 19h para a população. Diferentemente do que havia sido divulgado, o Festival Brasileiro da Cerveja 2016 acontecerá em dois setores e não três. A decisão foi tomada depois que os organizadores analisaram uma pesquisa feita logo após o evento e os expositores aprovaram o tamanho atual do evento e não concordaram com a expansão.

Fonte: Revista Beer Art

Maredsous 8 Brune - Degustação nº 262


A abadia beneditina de Maredsous é uma área pitoresca que faz parte da comuna de Denée, na província de Namur, onde se fala francês. O mosteiro produziu sua própria cerveja até 1963, quando fechou um acordo com a Duvel Moortgat. Naquela época as cervejas de abadia ainda eram unicamente escuras, visto que as douradas só começaram a proliferar depois que a Leffe Blonde se popularizou nos anos 1970.

Cervejaria: Brouwerij Duvel Moortgat NV
Origem: Bélgica
ABV(%): 8
Estilo: Belgian Dubbel
Embalagem: Garrafa de 330 ml

É uma cerveja de coloração marrom avermelhado, com corpo turvo. Sua espuma de cor bege apresentou boa formação e média presistência, com uma boa transição de renda no copo.

No nariz aroma intenso, malte remetendo a caramelo e leve tostado. Aroma frutado, sendo percebida a presença frutas secas, uva passa, ameixa, vinho, madeira e leve toque vinagroso. O lúpulo surge leve. Os 8 % ABV são perceptíveis ao aproximar o copo do nariz, mas não atrapalham o conjunto. O sabor acompanha o aroma, com presença de ésteres frutados, frutas secas e frutas com caroço (ameixa, por exemplo).

O aftertaste é duradoudo e adocicado. O corpo médio, além da pequena rescência conferem médio drinkability a esta cerveja. A percepção alcoólica é oportuna para o estilo. Cerveja bem complexa e muito saborosa!

Santeie peye!
Luiz Araújo

domingo, 28 de junho de 2015

RIPA Na Chulipa - Degustação nº 261

Cerveja Saint Bier RIPA Na Chulipa

A cerveja artesanal catarinense Saint Bier Ripa na Chulipa é uma deliciosa American IPA (IndiaPale Ale) com adição de rapadura. Esta modalidade ganhou a abreviação de RIPA, que significa Rapadura India Pale Ale.

Cervejaria: Saint Bier
Origem: Forquinilha-SC (Brasil)
ABV(%): 7
Estilo: India Pale Ale
Embalagem: Garrafa de 300 ml

É uma cerveja de coloração laranja e turva. Sua espuma de cor branca apresentou média formação, de curta na mesma intensidade, com uma boa transição de renda no copo. 

No aroma, o malte remete a caramelo, melaço  e tostado, sendo de forma média. Presença evidente de rapadura. O lúpulo está presente de forma média, perfumada, cítrica remetendo a laranja madura. Senti também toque de frutas fretas, algo como ameixa. Presença de álcool equilibrada ao aproximar o copo do nariz. No sabor tostado e caramelo. O dulçor mascara os 50 IBU's de amargor.

O retrogosto é duradouro indo do doce ao amargo. Com corpo médio e rescência idem, tem mesmo assim bom drinkability. A percepção alcoólica é oportuna. Boa cerja!

Um brinde!
Luiz Araújo

Schokolade - Degustação nº 260

Cerveja Schokolade

Primeira Stout do Social Beers, site de financiamento coletivo, que utiliza o conceito de crowdfunding. A receita leva 50kg de chocolate suíço (no formato de grãos de cacau tostados e finamente quebrados) em sua composição, adicionados na etapa de fervura e durante a fermentação). 

A cervejaria brasileira nesta parceria é a Cervejaria Blondine (que já realizou as brassagens das nossas Niew-West e Juan Caloto) e que agora participa como cervejaria colaborativa, participando da elaboração da receita. O lúpulo Northern Brewer traz ainda um leve toque de menta e herbal a cerveja.

Cervejaria: Blondine Microbrewery
País: Itupeva-SP (Brasil)
ABV(%): 6,5
Estilo: Sweet Stout
Embalagem: Garrafa de 310 ml

É uma cerveja de coloração preta e opaca. Sua espuma de cor marrom apresentou formação fina e de curta duração, com uma justa transição de renda no copo.

No aroma, o malte remete a chocolate, café e tostado. Pequena presença de lúpulo. Presença de álcool equilibrado ao aproximar o copo do nariz. O sabor acompanha o aroma descrito anteriormente. Bom equilíbrio entre dulçor e amargor, com leve predomínio deste.

O aftertaste foi médio e amargo. Com corpo de leve a médio e rescência pequena, combina com sobremesas e além do chocolate, com sorvete de creme e brownie por exemplo. A percepção alcoólica é oportuna. 

Saúde!
Luiz Araújo

Bierland Bock está de volta

Cerveja Bock
Bierland contabiliza 12 prêmios para a Bock desde 2011 (Foto: Divulgação)

Cerveja de inverno, de edição limitada, é uma das mais premiadas em seu estilo


Uma das mais premiadas cervejas brasileiras em seu estilo, a Bierland Bock está de volta. É uma sazonal de inverno da cervejaria de Blumenau (SC), com edição limitada. Para conferir a ficha da Bierland Bock, clique neste link.

“As características dessa cerveja combinam com esse período de temperaturas mais amenas”, ressalta o sommelier Yuri Holbrich. “Ela é ótima para combinar com as comidas mais requisitadas no outono-inverno, como a feijoada, carne de panela e chocolates.”

A Bock já foi premiada 12 vezes, desde 2011. Em 2014, ela recebeu duas medalhas de ouro. Uma na Alemanha, na categoria Bock e outra na Inglaterra, na categoria The Americas Gold Bock. Em 2015 ela conquistou a medalha de bronze na South Beer Cup, na Argentina, na categoria Bock & Maibock & Doppelbock & Weizenbock. Para conferir as medalhas dos concursos que compõem o ranking da Beer Art, clique neste link.

Fonte: Revista Beer Art

Chicago Blues Robust Smoked Porter - Degustação nº 259

Cerveja Chicago Blues Robust Smoked Porter

Localizada no bairro Santa Felicidade, em Curitiba, a Chicago Blues é fabricada pela Cervejaria Gaudenbier e vem com o intuito de proporcionar uma cerveja de qualidade internacional, de primeira linha, a um público muito exigente.

Cervejaria: Gauden Bier
País: (Curitiba-PR Brasil)
ABV(%): 6,2
Estilo: Porter
Embalagem: Garrafa de 355 ml

É uma cerveja de coloração preta e opaca. Sua espuma de cor marrom apresentou pequena formação, de curta duração, com uma excelente transição de renda no copo. 

No aroma intenso, o malte remete a café, chocolate amargo, tostado e defumado. Lúpulo muito leve. Presença de álcool balanceado ao aproximar o copo do nariz. O sabor segue a mesma linha do aroma. Cerveja com bom equilíbrio. Sabor intenso e amargor proveniente da tosta do malte. 

O aftertaste é duradouro e amargo. Corpo médio e carbonatação leve conferem média drinkabilidade a esta cerveja.  O álcool está bem inserido. Boa cerveja!

Bebamos!
Luiz Araújo

Casa Destemperados inova como espaço gastronômico

Destemperados
Casarão restaurado do bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, passa a contar com programação de atrações gastronômicas (Foto: Aluísio Pinheiro/Divulgação)

Local multiuso abre suas portas para eventos, desde feiras até jantares exclusivos


Um casarão restaurado do bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, abriga um projeto inovador. A partir desta sexta-feira, 26 de junho, a Casa Destemperados abre as suas portas para degustações, jantares exclusivos, cursos, palestras, food truck e feiras gastronômicas. O endereço da Rua Marquês do Herval, 82, se consolida como um espaço gastronômico multiuso, que vai muito além de ser a sede da redação dos Destemperados, projeto que em 2014 passou a integrar o Grupo RBS.

Lela Zaniol, uma das diretoras da marca, ao lado de Diego Fabris e Diogo Carvalho, explica:

"A casa é um palco, uma referência para criarmos conteúdos gastronômicos. E, assim, podemos contribuir para o mercado de gastronomia. Agora, as pessoas podem viver a marca Destemperados de uma forma completamente diferente."

São diferentes ambientes, que oferecem aconchego (Foto: Aluísio Pinheiro/Divulgação)

A Casa Destemperados terá atrações diariamente, de segunda a sábado, das 14h às 20h. Ao todo, são sete ambientes internos (Explore, Experimente, Inspire, Descubra, Relaxe, Compartilhe e Renove), além das áreas externas, que contam com uma churrasqueira e um boteco. Nos espaços internos, será possível degustar vinhos, experimentar receitas, relaxar, participar de palestras e cursos e compartilhar os momentos com os amigos.

Os próximos eventos da Casa Destemperados:
26/6, meio-dia – Food Truck Destemperados. Ingresso: R$ 15
27/6, às 11h – Feirinha #TudocomArroz. Ingresso: R$ 35 (dá direito a todos os pratos)
29/6, às 19h30min – Cook Show, com Rafael Jacobi. Ingresso: R$ 110
9/7, às 20h – Puertas Cerradas, com Kátia Barbosa. Ingresso: R$ 145 (harmonizado)
13/7, às 19h – Burgomestre Recebe, com Fábio Codevilla. Ingresso R$ 75.

Os ingressos podem ser comprados no site ingresse.com ou na própria Casa. As vagas são limitadas. A agenda completa está no site destemperados.com.br.

Sobre o Destemperados

Multiplataforma de conteúdo gastronômico que reúne pessoas comuns que gostam de comer e beber e que espalham suas impressões das mais variadas maneiras – no site, no app, no caderno, nos guias. Criado em 2007 por Diego Fabris, Diogo Carvalho e Lela Zaniol, o Destemperados uniu-se ao jornal Zero Hora, do Grupo RBS, em 2014. Contando com cerca de cem consumidores apaixonados por comer e beber espalhados pelo país, tem a missão de mapear o Brasil (e outras partes do mundo) gastronômico.

Serviço
O que: Casa Destemperados
Onde: Rua Marquês do Herval, 82, bairro Moinhos de Vento, Porto Alegre-RS
Quando: programação de segunda a sábado, das 14h às 20h

Fonte: Revista Beer Art

BottoBier Zoontje - Degustação nº 258

 Botto

Além de cervejeiro caseiro e sommelier, Botto acumula vários prêmios dos concursos cervejeiros dos quais participou. Porém, a grande projeção de Botto aconteceu quando a cerveja Dama do Lago venceu o concurso mestre cervejeiro da Eisenbahn e produziu 3 mil litros de sua cerveja vencedora.

O rótulo da cerveja segue a tradição de rotulagem do Mestre, o desenho mostra o Monge Cervejeiro que é uma caricatura do próprio Botto, obra do cartunista Tibúrcio que desenha para a revista Mad. Desta vez, o rótulo é uma brincadeira caricata e uma homenagem ao filho de Leonardo Botto que acaba de nascer. O nome escolhido, Zoontje, significa filho recém-nascido, filhinho em holandês, idioma mais falado na Bélgica.

Cervejaria: Botto Bier
Origem: Brasil
ABV(%): 6,6
Estilo: Belgian Specialty Ale
Embalagem: Garrafa de 600 ml

É uma cerveja de coloração âmbar, com corpo turvo. Sua espuma cremosa de cor de bege apresentou ótima formação, sendo persistente, com uma excelente transição de renda no copo.

No nariz malte intenso remetendo a caramelo e tostado. Senti a presença de frutas secas e ameixa. O lúpulo médio, floral e cítrico. Álcool evidente, mas sem atrapalhar o conjunto. O sabor acompanha o aroma, especialmente no caramelo. Presença de ésteres frutados e cítricos. Lúpulo médio e cítrico. Bom equilíbrio entre o dulçor do malte e o amargor.

O aftertaste é duradouro indo do doce ao leve amargor, com levíssima adstringência. O corpo é médio e carbonatação idem. Médio drinkability. A percepção alcoólica engana bastante. Excelente cerveja! Bela homenagem, bem como a cerveja!

Saúde!
Luiz Araújo

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Segunda edição do Degusta Beer & Food acontece em julho

Evento voltado para o consumidor de cervejas reúne especialistas, importadoras e terá espaço para degustação e palestras

Brasil Brau e Degusta Beer & Food


A cidade de São Paulo sedia a segunda edição do Degusta Beer & Food, feira dedicada aos amantes da cultura cervejeira, entre os dias 15 e 18 de julho no São Paulo Expo (antigo Centro de Exposições Imigrantes). Os ingressos estão a venda por meio do site www.degustabeerandfood.com.br. Haverá transporte gratuito da Estação do Metrô Jabaquara.

Durante o evento, o público poderá visitar os estandes e provar cerca de 400 rótulos trazidos por importadoras e cervejarias artesanais. Estarão por lá a Cervejaria Lohn (Santa Catarina), Cervejaria Mistura Clássica (Rio de Janeiro) e as paulistas Cervejaria Mea Culpa, Cervejaria Nacional, Cervejaria Suméria, Dama Bier, Colorado e Baden Baden. Entre as importadoras vale destacar a Casa Flora e a Bier Wein.

Os participantes ainda poderão conferir as palestras e debates ministrados por especialistas do ramo cervejeiro e gastronômico. Vale destacar os debates “Grandes, micros e ciganas”, com Paulo Feijão (Cervejaria Dama), Ricardo Amorim (AMBEV), José Felipe Carneiro (Wäls) e André Cancegliero (Urbana); e a “Comida de Rua: Food Truck ou Food Truque?” com a participação do chef Checho Gonzales.

No encerramento do evento, dia 18 de julho, será realizada a final do Campeonato Mundial de Sommeliers de Cerveja. A competição é organizada pelo Doemens Akademie, renomado instituto alemão de formação de sommeliers de cerveja. 

Simultaneamente ao Degusta Beer & Food acontece a Brasil Brau – Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja. Os encontros são destinados aos profissionais da área cervejeira que conhecerão os equipamentos, insumos e acessórios do segmento. A feira também acolhe o Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia Cervejeira, uma realização da Associação Cobracem, que traz palestras e mesas redondas sobre novas técnicas e soluções para aplicações do processo produtivo da cerveja.

Neste ano, a Brasil Brau terá a parceria da drinktec – a maior feira voltada para o trade de bebidas do mundo. A feira contará com apoio da multinacional para atrair expositores de outros países que contribuam para o aumento da oferta de tecnologia cervejeira do líquido ao envase.

Degusta Beer & Food

Realizado pela Associação Brasileira dos Profissionais em Cerveja e Malte (COBRACEM) e organizado pela Fagga | GL events Exhibitions. A iniciativa nasceu como “Degusta Beer” dentro da Brasil Brau – bienal de cerveja voltada para tecnologia e negócios do setor – Associado à maior feira do setor na América do Sul, o evento se caracteriza como o maior encontro do mercado cervejeiro no Brasil. Oportunidade imperdível para quem trabalha no setor, quer empreender ou simplesmente ama e quer conhecer mais sobre cervejas.

Transporte grátis

Durante os três dias de festival, os visitantes terão acesso a um traslado gratuito de ônibus entre a estação de metrô Jabaquara e o São Paulo Expo (antigo Centro de Convenções Imigrantes). Os veículos terão placas de identificação no para-brisa dianteiro e coordenadores de embarque. O serviço funciona das 14h às 23h (horário da última saída do evento para o metrô).

São Paulo Expo

Há um ano em reforma, o São Paulo Expo já observa o impacto das reformulações. No período, o espaço recebeu cerca de 850 mil pessoas, em mais de 35 eventos. Em 2015, o local espera sediar cerca de 50 eventos, um crescimento de 40% em relação a 2014.

O projeto do grupo prevê a construção de um complexo arquitetônico multifuncional capaz de sediar feiras de negócios e de público, congressos e eventos corporativos nacionais e internacionais, além de eventos culturais e de entretenimentos. A concessão será por 30 anos.

Serviço Degusta Beer & Food

De 15 a 18 de julho
Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center
Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5 – São Paulo – SP – Brasil
Horário: 14 às 22h
Ingressos a venda por meio do site www.degustabeerandfood.com.br.
- Transporte Gratuito - Estação do Metrô Jabaquara - Saída de ônibus na Rua Nelson Fernandes, 400 
O Ingresso para o Degusta Beer não dá acesso a Brasil Brau – Feira Internacional de Tecnologia em Cerveja – para maiores informações acesse: www.brasilbrau.com.br

Fonte: denibloch divulgação

Brasil recebe pela 1ª vez o Campeonato Mundial de Sommeliers de Cervejas

Competição em São Paulo desafia 50 sommeliers selecionados entre nove nações

Prova final do Campeonato Mundial de Sommeliers de Cervejas é em 18 de julho, na Degusta Beer & Food 

Idealizado e organizado pela Doemens Akademie, o IV Campeonato Mundial de Sommeliers de Cervejas será realizado pela primeira vez no Brasil (São Paulo). Contará com a participação de 50 sommeliers. Selecionados dentre centenas de profissionais, em campeonatos regionais e nacionais, eles representam 9 nações: Brasil, Alemanha, Áustria, Suíça, Chile, Itália, Canadá, Estados Unidos e Porto Rico. (confira mais abaixo a lista dos competidores).

O concurso será realizado em duas partes, sendo três pré-eliminatórias e uma etapa final. As pré-eliminatórias serão nas dependências da Academia Barbante de Cerveja (sem audiência). A primeira pré-eliminatória terá um teste teórico de múltipla escolha, um teste prático de off flavors e uma prova prática de estilos de cerveja. A segunda pré-eliminatória testará as habilidades dos participantes para descrições sensoriais e a terceira (e última) pré-eliminatória colocará à prova as habilidades dos participantes para harmonizações gastronômicas com cervejas. Das pré-eliminatórias sairão os seis finalistas, sendo três na primeira pré-eliminatória, dois na segunda e um na terceira.

A prova final será em 18 de julho, na feira Degusta Beer & Food, em uma apresentação ao vivo e aberta ao público. Nesta etapa serão testadas as aptidões dos seis finalistas para todos os conhecimentos típicos de um sommelier de cerveja (estilo da cerveja, descrição sensorial, ocasião de consumo, harmonização, serviço e mercado, entre outros). Será uma apresentação de improviso, de até 10 minutos, em frente ao público e que servirá para que o júri internacional avalie e decida qual dos concorrentes será o campeão. O nome do grande vencedor será apresentado à noite, durante o jantar de premiação, em local ainda a ser definido.

Diretora de educação da Doemens no Brasil, a beer sommelier e mestre cervejeira Cilene Saorin ressalta:

“Com o passar dos anos, o número de sommeliers treinados ultrapassou mais de dois mil profissionais em cursos que têm sido ofertados internacionalmente em países como Alemanha, Áustria, Itália, Suíça, Estados Unidos, Brasil e Espanha. O Campeonato promete ser uma excitante competição, casada com deliciosos momentos de imersão no ambiente cervejeiro. Os sommeliers de cerveja ajudam a incrementar o prazer e a qualidade de vida, além de disseminar a cultura das cervejas”.

OS COMPETIDORES

Confira a relação dos competidores já confirmados para o IV Campeonato Mundial de Sommeliers de Cervejas:

BRASIL
Alexander Moraes
André Soares Rodrigues
Daniel Fregonezi Tortella
Eduardo Pelizzon
Fábio de Faria e Souza Campos
Fernando Carvalho de Almeida
Fernando Fernandes Chaves
Gil Lebre Abbade Franco
Guilherme Germano Rossi
José Augusto Procópio Pinto
Luis Celso Sniecikoski Júnior
Luiz Yamauchi Junior
Marcelo Hugo Klein
Marcelo Penteado Crosta da Costa Lima
Marcos Roberto Gonçalves
Paulo De Falco Brunoro
Pedro Barcellos Teixeira
Pedro Henrique Capriles Bianchi
Pedro Veronese
Rodrigo de Mello Ferreira
Rodrigo Sawamura
Tegnus Franciscus Lamas

ALEMANHA
Christoph Puttnies
Cornelius Faust
Frank Lucas
Guido Grote
Irina Zimmermann (única mulher nesta edição!)
Julian Menner
Karl-Ludwig Rieck
Klaus Artmann
Markus Sailer
Spielmann Max

ÁUSTRIA
Clemens Kainradl
Felix Schiffner
Josef C. Sigl
Markus Thaller
Markus Reitlinger

SUÍÇA
Marcel Alber
Roger Brügger

CHILE
Armin Schmid

ITÁLIA
Alessandro Campanini
Andrea Rocca
Gilberto Acciaio
Simonmattia Riva
Stefan Grauvogl

CANADÁ
Hugues Leroux-Kelly

ESTADOS UNIDOS
Donald G. Lindsay
Michael Kelley

PORTO RICO
George Franceschi

Fonte: Revista Beer Art

Botequim Informal lança carta de cervejas

São 20 novos rótulos entre nacionais e importadas



Para os boêmios de plantão, a rede de pés-limpos Botequim Informal acaba de lançar uma carta de cervejas especiais. São 20 novos rótulos entre marcas nacionais e importadas para todos os gostos e bolsos.

Como sugestão das cervejas premium larger destaque para a mexicana Corona (R$ 9,90 – long neck), com sabor leve e pouco teor alcoólico e para brasileira SerraMalte (R$ 11,80 – 600ml), de cor forte, baixa fermentação e amargor acentuado.

Corona Extra no Botequim Informal

Já entre as de trigo, as estrelas são as alemães Franziskaner Dunkel (R$ 22,90 – 500ml), com paladar marcante do malte torrado e Franziskaner Hefe (R$ 22,90 – 500ml), refrescante e com aroma levemente frutado devido à intensidade do fermento dentro da própria garrafa.

Franziskaner Hefe-Weissbier no Botequim Informal

Ainda na linha de trigo, é possível encontrar as não filtradas como a Bohemia Bela Rosa (R$ 9), leve, crítica, refrescante e com cascas de laranjas e semente de coentro em sua receita, e a holandesa Hoegaarden (R$ 18 – 330ml), com aroma frutado. 

Hoegaarden no Botequim Informal

As pilsens ficam por conta dos rótulos Quilmes, produzida na Argentina e com toque sutilmente adocicado (R$ 21 – 970 ml); Norteña (R$ 21 – 960ml), uruguaia com aroma discreto de lúpulo e de poucos frutos, além de fino amargor e persistente e a Bohemia (R$ 7,20 – 355ml), feita em nosso país e com malte 100% importado.

Norteña no Botequim Informal

E para quem gosta de cerveja preta, a Brahma Malzebier é a aposta da casa (R$ 7,20 – 355ml). Brasileira, a bebida é levemente adocicada e seu aroma é de caramelo. Além disso, ela é bem nutritiva e rica em carboidratos.

Surpreendente, a Bohemia Caa Yari (R$ 9,90) une o estilo da Belgian Blond Ale e sua receita é especialmente elaborada com erva mate. A combinação forma uma espuma cremosa e traz aromas de mate e especiarias, que são provenientes da fermentação. Ela é equilibrada e seu sabor ainda revela médio amargor.

A brasileira Bohemia Jabutipa (R$ 9), feita de puro malte tipo Pale Ale, é equilibrada com o adocicado e suavidade da jabuticaba. Ela é intensa, encorpada e geniosa. Sua cor é acobreada e límpida e seu amargor é agradável.

Entre os rótulos belgas, a Leffe é quem toma conta das cervejas do tipo abadia, uma das mais consumidas no mundo. Produzida desde o século XIII pelos monges, ela tem a mesma receita desde 1240. Sua fermentação é alta, frutada e levemente condimentada, sendo considerada uma cerveja seca. E no Botequim Informal, a Leffe pode ser encontrada Blond (R$ 16,10 – 330ml), adocicada e refrescante; Brown (R$ 16,10 – 330ml), com sabor leve e notas de chocolate e toffe, e Radieuse (R$ 16,10 – 330ml), formado por uma mistura de frutado e cítrico e aroma de frutas vermelhas e caramelo. 

E quem adora uma cerveja, mas não pode ou não quer ingerir álcool, a casa também oferece a Brahma Zero (R$ 6,90 – 355ml).

Serviços

Botequim Informal Leblon: Rua Conde de Bernadote 26/loja O, Leblon. Tel.:2540-5504. 120 lugares. Domingo a quarta funciona das 12h até à 1h. Quinta a sábado, das 12h até às 2h. Cc.: todos, menos Amex. Cd.: todos. Cr.: VisaVale. T.: TR, Sodexho, VR (somente de segunda a sexta-feira no almoço). Manobrista: não.

Fonte: Documennta Comunicação